Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

França abre arquivos referentes ao genocídio em Ruanda

media Soldados franceses chegam na cidade de Butare, em Ruanda, dez dias antes do início da operação Turquesa. HOCINE ZAOURAR / ARCHIVES / AFP

A presidência francesa decidiu abrir seus arquivos secretos sobre o período do genocídio em Ruanda, entre 1990 e 1995. A decisão foi anunciada nesta terça-feira (7), no 21° aniversário do início do massacre que deixou 800 mil mortos. O governo ruandês acusa a França de cumplicidade no genocídio.

De acordo com um comunicado do Eliseu, os documentos disponibilizados são relatório de conselheiros diplomáticos e militares do ex-presidente francês François Mitterrand, que dirigia o país na época.

"O presidente François Hollande anunciou há um ano que a França deveria optar pela transparência e facilitar o trabalho de registros sobre esse período", indicou o documento. O recenseamento dos arquivos foi coordenado pelo Secretariado Geral da Defesa e da Segurança Nacional (DGDSN), com relatórios secretos elaborados pelos conselheiros diplomáticos e militares do Eliseu, além de registros da pasta da Defesa e de reuniões ministeriais.

Os documentos estarão à disposição de pesquisadores ou de associações de vítimas do genocídio. Os massacres de 1994, que essencialmente visaram a minoria tutsi, fizeram cerca de 800 mil mortos em alguns meses.

Cúmplice no genocídio

O governo ruandês acusou Paris diversas vezes de ter sido cúmplice do genocídio, sobretudo com a operação militar Turquesa, lançada em junho de 1994, oficialmente com um objetivo humanitário. Em 2007, o relatório de uma investigação de Ruanda condena o apoio militar da França entre 1990 e 1994.

Outro documento, realizado com base no depoimento de um militar belga, afirma que munições francesas chegaram a Ruanda no início do genocídio. Em 2012, o jornal Libération também revelou que 15 mísseis franceses Mistral faziam parte do arsenal ruandês às vésperas do começo do massacre, mesmo que na época houvesse um embargo internacional.

O relatório também acusa Paris de ter colaborado com o governo interino de Kigali da época, recebendo altos responsáveis em abril de 1994, quando o massacre já acontecia em Ruanda.

A França reconheceu ter falhado em suas relações com Ruanda. Mas o país nega que tenha contribuído diretamente com o massacre.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.