Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Papa condena ataques contra cristãos durante comemorações da Páscoa

media Papa Francisco durante vigília pascal nesse sábado (4), na Basílica de São Pedro. REUTERS/Stefano Rellandini

O papa Francisco aproveitou as comemorações da Páscoa para condenar os ataques recentes visando os cristãos do mundo. O sumo pontífice lembrou do massacre na universidade de Garissa, no Quênia, para criticar duramente a “fúria jihadista”. O chefe da Igreja Católica faz na manhã deste domingo (5) a tradicional benção Urbi e Orbi (à cidade e ao mundo).

O papa Francisco, que presidiu na noite deste sábado (4) a vigília pascal, cerimônia que celebra, segundo o cristianismo, a ressurreição de Jesus, condenou a “brutalidade insensata” do massacre dos jihadistas shebab contra os estudantes de Garissa, no leste do Quênia. O papa disse que “todos os responsáveis devem ampliar seus esforços para colocar um fim nessa violência”.

O ataque na universidade queniana deixou 148 mortos e os extremistas separaram os muçulmanos e os não-muçulmanos antes da execução. “Hoje nós vemos nossos irmãos perseguidos, decapitados e crucificados por sua fé sob nossos olhos e, frequentemente, com nosso silêncio cúmplice”, acusou o sumo pontífice já na sexta-feira em Roma.

Vaticano condena perseguição de cristãos

O Vaticano tem reagido à multiplicação de perseguições visando os cristãos, seja por indivíduos ou por grupos de extremistas muçulmanos. A Igreja Católica, por meio principalmente do ministro do diálogo interreligioso, Jean-Louis Tauran, reclama do fato de que as autoridades ocidentais e muçulmanas não se mobilizem para denunciar os crimes recentes.

As declarações mais duras do Vaticano começaram no ano passado, quando o grupo Estado Islâmico atacou a cidade iraquiana de Mossul. O tom ficou ainda mais severo em dezembro, quando o papa Francisco pediu que “todos os dirigentes muçulmanos do mundo, (sejam eles) políticos, religiosos ou acadêmicos”, se pronunciassem claramente contra a violência jihadista. Recentemente, o chefe da Igreja Católica chegou a acusar a comunidade internacional de “querer esconder” as perseguições contra os cristãos.

Segundo um relatório anual do World Watch Monitor, 4.334 cristãos (católicos, protestantes, anglicanos e ortodoxos) foram mortos em 2014.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.