Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Twitter tinha 46 mil contas ligadas ao grupo EI no final de 2014

media Redes sociais como o Twitter são utilizadas para conquistar seguidores pelos grupos jihadistas.

O Twitter tinha pelo menos 46 mil contas de simpatizantes do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) no final do ano passado, segundo um relatório do Brookings Institution, publicado nesta sexta-feira (6) nos Estados Unidos. Várias contas foram fechadas desde então, destaca o documento.

 

"De setembro a dezembro de 2014, os autores estimam que pelo menos 46 mil contas do Twitter foram usadas por seguidores do Estado Islâmico, embora nem todas tenham estado ativas simultaneamente", lê-se no relatório. O levantamento, apoiado pela Google Ideas e divulgado pelo 'think tank' norte-americano, é assinado por JM Berger e Jonathon Morgan, que salientam que apesar de muitas contas terem sido desativadas pelos gestores da conhecida rede social, os números são ainda bastante altos, e cobrem apenas uma pequena parte da rede do EI.

"Análises anteriores feitas no Twitter do EI exploraram segmentos limitados da rede", escreveram os autores, que através da localização da emissão das mensagens, concluem que o maior número de simpatizantes do EI que usam o Twitter está na Arábia Saudita, seguida de Síria, Iraque e Estados Unidos. Quase um em cada cinco apoiadores enviou mensagens em inglês, outros três quartos em árabe.

Os autores do relatório recomendam que as empresas gestoras das redes sociais e o governo americano trabalhem em cooperação para dar uma resposta adequada aos extremistas. Esta semana, o Twitter disse estar em contato com as autoridades americanas para enfrentar essas ameaças.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.