Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Autenticidade das obras destruídas pelo grupo Estado Islâmico é questionada

media Extremistas destróem estátuas em Mossul. REUTERS/Social media Web site via Reuters TV

As imagens da destruição de relíquias da era pré-islâmica no museu de Mossul, no norte do Iraque, pelo grupo Estado Islâmico, podem ter sido mais uma peça de propaganda do que uma tragédia para o patrimônio histórico. Nesta sexta-feira (27), especialistas debatem a autenticidade das obras mostradas nos vídeos e há quem diga que a cidade não abrigava nenhuma preciosidade.

Segundo o professor Dara Sinjari, professor da Univerdade de Mossul ouvido pelo jornal Le Monde, as cenas da destruição de obras de arte são parte de um processo maior de limpeza cultural promovido pelo grupo Estado Islâmico. Desde o último dia 30 de janeiro os jihadistas estão confiscando livros em lojas e bibliotecas da cidade, em especial obras de filosofia e ciências, além de livros infantis, considerados subversivos.

O Le Monde também afirma que, ao contrário do que pode parecer no vídeo, os extremistas sabem diferenciar as obras de arte mais recentes, que ofenderiam sua ideologia, das relíquias mais antigas e valiosas. Segundo o jornal, as obras mais preciosas abrigadas em Mossul não teriam sido destruídas.

Manuscritos estão a salvo

Além disso, o arqueólogo Lamia Al-Gailan, da Escola de Estudos Orientais de Londres, afirmou ao Le Monde que o Museu de Mossul foi transformado em escritório da coleta de impostos e que nenhuma obra realmente importante é abrigada na cidade desde 1991.

O jornalista árabe Wassim Nasr, que trabalha para a televisão francesa France24, afirma que muitas das obras que aparecem no vídeo não passam de cópias de gesso, embora haja originais. Outra preciosidade, os manuscritos siríacos, deixaram Mossul há muitos anos e hoje estão em segurança, na cidade de Erbil.

É possivel, portanto, que o vídeo não passe de uma peça de propaganda para chocar o Ocidente, uma especialidade do grupo Estado Islâmico. Mas com a dificuldade de checar as informações no local, a certeza sobre o destino das obras deve demorar a chegar.

 

Imagens feitas pelo jornalsita Wassim Nasr: "Uma parte do que foi destruído são réplicas em gesso".

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.