Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Israel anuncia novos alojamentos em plena campanha eleitoral e revolta palestinos

media Uma das colônias israelenses na Cisjordânia, em setembro de 2014. AFP PHOTO / AHMAD GHARABLI

O governo israelense anunciou nesta sexta-feira (30) a construção de mais 450 alojamentos para seus colonos na Cisjordânia. A decisão, tomada em plena campanha eleitoral, irritou profundamente os dirigentes palestinos, que denunciam um "crime de guerra".

As autoridades israelenses publicaram a licitação para ampliar colônias já existentes em quatro regiões da Cisjordânia: 156 em Elkana, 114 em Adam, 102 em Kiryat Arba e 78 em Alfei Menashe. As informações foram divulgadas pelo Observatório anti-colonização Territorial Jerusalem e a ONG Paz Agora.

Os líderes dessas organizações denunciam uma manobra eleitoreira do primeiro-ministro Benjamin Netaniahu para conquistar votos dos colonos, disputados também por partidos de direita.

As organizações anti-colonização também temem que as ofertas de novos alojamentos em territórios ocupados possam aumentar com a aproximação das eleições legislativas antecipadas, que acontecem no dia 17 de março.

"Crimes de guerra"

A licitação é anunciada em um momento em que israelenses e palestinos vivem um clima de tensão agravada pelo pedido de adesão da Autoridade Palestina ao Tribunal Penal Internacional. Caso seja aprovada, a integração permitirá que dirigentes israelenses sejam julgados por crimes de guerra, como as agressões na Faixa de Gaza.

Ao tomar conhecimento da licitação para novos alojamentos, um dos dirigentes da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Wassel Abou Youssef, declarou que "trata-se de um crime de guerra que deverá levar o Tribunal Penal Internacional a investigar a questão das colônias".

O ministério israelense da Construção, dirigido por Uri Ariel, do partido ultra-nacionalista Lar Judeu, rejeitou qualquer vínculo com as eleições legislativas. Ele explicou que a licitação já havia sido lançada em 2014, mas por falta de resposta, foi relançada "automaticamente" pela administração.

Revés para os Estados Unidos  

Além de exasperar os palestinos, a política de expansão das colônias judaicas na Cisjordânia é vista com um dos maiores obstáculos para a resolução do conflito israelo-palestino, inclusive pelos Estados Unidos, principal aliado de Israel.

A decisão pode esfriar ainda mais as relações entre Netaniahu e o presidente Barack Obama, visivelmente contrariado com o premiê israelense depois que ele aceitou um convite da oposição republicana para discursar no Congresso sobre o Irã.

Para a ONG Paz Agora, depois de criar um mal-estar para Obama ao aceitar discursar no Congresso, Benjamin Netaniahu impõe novo revés para os Estados Unidos.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.