Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Novos protestos contra Charlie Hebdo deixam mortos no Níger

media Manifestantes exibem cartazem com os dizeres "maldito seja Charlie e seus aliados" durante protestos violentos nas ruas da capital do Níger. REUTERS/Tagaza Djibo

Pelo menos cinco pessoas morreram neste sábado (17) em Niamei durante protestos contra caricatura do profeta Maomé publicada no jornal satírico francês Charlie Hebdo. Outras quatro vítimas fatais já haviam sido registradas durante manifestações violentas na véspera em Zinder, segunda maior cidade do Níger, país onde a maioria da população é muçulmana. Igrejas foram incendiadas e centenas de cristãos tiveram que ser colocados sob proteção militar.

O presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, confirmou as novas mortes na noite deste sábado. “O balanço em Niamei é de cinco mortos, todos civis, quatro deles em igrejas e bares”, declarou o chefe de Estado. Um dos corpos foi encontrado incinerado.

Esse é o segundo dia de violência durante manifestações no Níger. Na sexta-feira (16), quatro pessoas foram mortas e outras 45 ficaram feridas em protestos contra o jornal Charlie Hebdo em Zinder. O centro cultural francês da cidade foi incendiado e, aos gritos de “abaixo a França”, manifestantes contestavam a publicação de uma caricatura do profeta Maomé na capa da edição de quarta-feira (14) do jornal satírico, que chegou às bancas uma semana após o atentado terrorista que praticamente dizimou sua redação, em Paris.

“Podemos aceitar que essas igrejas tenham sido queimadas? Do que são culpados as igrejas e os cristãos do Níger”, questionou o presidente Issoufou durante um discurso transmitido pela televisão nacional do país. “Os que destroem e profanam os locais de culto, que perseguem e matam seus compatriotas cristãos ou estrangeiros que vivem aqui não entenderam nada do Islã”, criticou, lembrando que esses atos podem prejudicar os muçulmanos que vivem em países de maioria cristã. Segundo números oficiais, 98% da população do Níger é muçulmana, mas até agora a convivência com as minorias era pacífica.

Cristãos tiveram que ser protegidos pelo exército no Níger

Cerca de 300 cristãos foram colocados sob proteção militar neste sábado em Zinder. A maioria deles foi colocada em uma caserna, mas um grupo de 70 pessoas, entre eles 20 crianças, ficaram entrincheirados em uma igreja evangélica, cercada por policiais. Na sexta-feira (16), as forças de ordem lutaram durante várias horas para impedir que os manifestantes incendiassem os templos cristãos. Carros da polícia e bandeiras da França também foram queimados. 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.