Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Tunísia escolhe primeiro presidente em 58 anos

media Eleitora mostra a prova de que já votou nas eleições da Tunísia. REUTERS/Anis Mili

Os tunisianos compareceram às urnas neste domingo (21) para o segundo turno da eleição presidencial, em que escolheram entre o atual presidente, Moncef Marzuki, e o opositor Beji Caid Esebsi, apontado como favorito. O vencedor será o primeiro chefe de Estado eleito democraticamente desde a independência do país, há 58 anos. Resultados podem ser divulgados na segunda-feira.

Com a votação, os tunisianos esperam deixar para trás quatro anos de uma difícil transição democrática, desde a queda em janeiro de 2011 de Zine el Abidine Ben Ali. A saída do ditador representou o início da Primavera Árabe.

Como prova da tensão no país, na madrugada de domingo um homem foi morto ao tentar atacar uma unidade militar que fazia a segurança de material eleitoral, em uma escola de Kairuan (região central do país). Três homens foram presos. "A melhor maneira de responder é comparecer em massa e de maneira tranquila às eleições", disse o primeiro-ministro, Mehdi Jomaa.

Resultados das eleições podem sair nesta segunda-feira

As urnas fecharam às 18h (15h de Brasília). Os resultados podem ser divulgados na segunda-feira, de acordo com a junta eleitoral, que tem prazo até 24 de dezembro para anunciar o nome daquele que será o presidente pelos próximos cinco anos. No início da apuração dos votos, o diretor do comitê de Esebsi indicou que ele estava na frente.

Quase 5,3 milhões de eleitores estavam registrados para votar e escolher entre Marzuki, de 69 anos, e Esebsi, de 88 anos e líder do partido anti-islamista Nidaa Tunes, vencedor das eleições legislativas de outubro.

Dezenas de milhares de policiais e militares foram convocados para garantir a segurança da votação. A Tunísia tem sofrido com atentados atribuídos a radicais islâmicos, principalmente na fronteira com a Argélia. Tunisianos membros do grupo extremista Estado Islâmico pediram o boicote da eleição e ameaçaram cometer novos ataques.

Primeira eleição democrática

O vencedor da votação será o primeiro presidente democraticamente eleito desde 1956. Habib Burguiba, que dirigiu o país após a independência, e Zine El Abidine Ben Ali, que em janeiro de 2011 fugiu para a Arábia Saudita, sempre recorreram a fraudes ou plebiscitos para se manter no poder. Já Marzuki foi designado para o cargo após um acordo político com os islamitas do partido Ennahda.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.