Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Buscas por destroços do MH370 da Malaysia Airlines são retomadas

media Mapa das buscas do voo MH370. Wikimedia Commons

Autoridades australianas anunciaram nesta segunda-feira (6), a retomada da busca submarina por destroços do MH370, da Malaysia Airlines. O Boeing 777-200 depareceu misteriosamente há sete meses, em voo que ia de Kuala Lumpur para Pequim, com 239 pessoas a bordo.  

A operação foi retomada no oceano Índico, provável local da queda do avião. Depois de uma primeira fase de buscas sem resultados na superfície e em profundidade, uma embarcação especializada fretada pela Malásia começou a rastrear o fundo do mar para tentar localizar destroços do aparelho desaparecido em 8 de março, pouco depois de decolar de Kuala Lumpur com direção à capital chinesa.

Essa embarcação, o "Go Phoenix", junto com o "Fugro Discovery", fretado pela Austrália, devem submergir potentes sonares a 5 mil ou 6 mil metros de profundidade. Os aparelhos são programados para detectar as partes volumosas do avião, como motores, trem de pouso e fuselagem.

Sumiço em pleno voo

O contato com a cabine foi perdido após uma hora de voo e desde então nenhum vestígio físico da aeronave foi encontrado. Os sistemas de comunicação foram captados diversas vezes por satélites e isso permitiu reconstituir a suposta trajetória até a possível queda no mar, ao sul do oceano Índico, na altura da costa oeste da Austrália.

Várias hipóteses foram levantadas, desde uma crise psicótica do piloto ou copiloto até um sequestro, passando por uma falha mecânica grave. A explicação mais plausível, segundo os coordenadores da investigação, é que uma queda brusca do nível de oxigênio a bordo tenha deixado tripulantes e passageiros inconscientes. O avião seguiu voando no piloto automático até cair, supostamente, por falta de combustível.

Em 17 de julho, outro Boeing da Malaysia Airlines, que voava de Amsterdã a Kuala Lumpur, explodiu em pleno voo, aparentemente derrubado por um míssil quando sobrevoava o leste da Ucrânia. O aparelho transportava 298 pessoas, incluindo 193 holandeses.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.