Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico
Mundo

Relatório confirma que MH17 foi abatido por projéteis

media Destroços do avião da Malaysia Airlines que caiu na fronteira da Ucrânia com a Rússia. REUTERS/Maxim Zmeyev/Files

A agência de investigação e segurança da Holanda (OVV) divulgou nesta terça-feira (9) o primeiro relatório oficial sobre as causas da queda do voo MH17, da Malaysia Airlines, em julho, no leste da Ucrânia. Segundo o documento, não foram encontrados indícios de problemas técnicos na aeronave.

Segundo os investigadores holandeses, o Boeing 777-200 da Malaysia Airlines foi abatido por "um grande número de projéteis que atingiram a fuselagem do avião em alta velocidade". O impacto provocou a desintegração do aparelho em pedaços em pleno voo.

"Não há nenhum indício de que a queda do avião tenha ocorrido por um problema técnico ou por manobras da tripulação, que era experiente e qualificada", afirmam os peritos. Uma explosão explica o fato de as caixas-pretas terem parado de registrar subitamente os dados do voo, a perda de contato com os controles aéreos e o desaparecimento do aparelho dos radares, diz o laudo.

O relatório foi feito com base em elementos retirados das caixas-pretas, fotos, vídeos e dados de satélite, uma vez que os especialistas holandeses não tiveram acesso ao local da queda, situado em zona de guerra.

Separatistas e governo ucraniano trocam acusações

A queda do voo da Malaysia, no dia 17 de julho passado, chocou o mundo. Com 298 pessoas a bordo, na sua maioria passageiros holandeses, o voo fazia a rota entre Amsterdã e Kuala Lampur, na Malásia.

A Ucrânia e os países ocidentais acusaram os separatistas de terem abatido o avião com um míssil de fabricação russa, mas Moscou e os separatistas responsabilizaram o exército ucraniano pela tragédia.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.