Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

OMS propõe oito tratamentos e duas vacinas contra Ebola

media OMS libera novos tratamentos experimentais, mas suprimento de medicamentos não estará disponível antes do fim do ano facebook.com/WHO

A Organização Mundial de Saúde propôs oito tratamentos e duas vacinas experimentais contra o Ebola. Os medicamentos estão sendo confeccionados em caráter emergencial, mas não devem ficar prontos antes do fim do ano e nenhum deles foi clinicamente comprovado, informou um documento assinado por 200 especialistas da Organização convocados a Genebra para discutir o combate à febre.

Em circunstâncias normais, o desenvolvimento e a avalição clínica podem pode levar até dez anos. Mas de acordo com a organização, a atual epidemia exige pressa já que não existe hoje nenhuma vacina ou tratamento específico contra a doença, cuja taxa de mortalidade atual ultrapassa os 50%.

Um destes tratamentos é coquetel americano ZMapp, que foi testado pela primeira vez em seres humanos em julho deste ano e, desde o início de agosto, tem autorização da OMS para ser aplicado de forma experimental. Apesar de ter produzido bons resultados iniciais, ainda não há condições de produção em larga escala do medicamento.

Até agora, menos de dez doses do coquetel foram utilizadas. Espera-se que "algumas centenas" estejam disponíveis no fim do ano. Com relação às vacinas, a organização estima ter vários milhares de doses no fim de 2014 prontas para testes clínicos e aplicação consetida em pacientes.

Ponta do iceberg

Nesta segunda-feira, a União Africana faz uma reunião de emergência para definir uma estratégia continental de combate ao vírus. De acordo com o último número oficial, 1841 pessoas morreram por conta do Ebola. Mas nessa quarta, a diretora geral da OMS, Margaret Chan, afirmou que o número de vítimas ultrapassou 1900.

Os países mais afetados são Libéria, Guiné e Serra Leoa, mas sete casos foram registrados na Nigéria e um no Senegal, onde um guineano infectado entrou de maneira clandestina. Mais de 20 mil pessoas correm o risco de ser infectadas nos próximos seis a nove meses, já que os sistemas de saúde destes países são precários e não têm condições de combater a crise com eficiência.

Hoje a secretária de Estado francesa para o Desenvolvimento e a Francofonia, Annick Girardin, anunciou que viajará entre os dias 11 e 14 de setembro a Dacar (Senegal) e Conakry, na Guiné, para "mostrar o compromisso da França com o combate ao Ebola".

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.