Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/04 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/04 15h06 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/04 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/04 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Menina de 12 anos morre em troca de tiros entre exército e jihadistas no Líbano

media Líbano mobiliza Exército depois que 16 soldados foram mortos e outros 13 estão desaparecidos após combates com rebeldes sírios no último fim de semana. REUTERS/Hassan Abdallah

Combates entre o exército libanês e jihadistas em Bab al-Tebbaneh, maior cidade do norte do Líbano, mataram uma menina de 12 anos nesta terça-feira (5). A tensão segue alta na fronteira do país com a Síria, onde extremistas islâmicos tentam tomar o controle.

Durante a madrugada, combates foram registrados diante de um posto militar de Bab al-Tebbaneh. Quatro granadas foram lançadas contra as forças libanesas, que responderam ferindo duas pessoas. Violências também sacudiram a capital Tripoli hoje.

O conflito se estendeu ontem para a cidade sunita de Aarsal, no leste do país. Os extremistas islâmicos acusam o exército libanês de ligação com a milícia xiita Hezbollah, que combate na Síria ao lado do regime de Bashar al-Assad.

Nesta manhã, um comboio com religiosos sunitas também foi atacado no nordeste do país. O grupo tenta mediar o conflito entre o exército e combatentes islamitas sírios que tentam controlar a zona. Os religiosos ficaram apenas levemente feridos.

Líbano critica demora do governo francês na entrega de armas

O chefe do Exército libanês, o general Jean Kahwahji, reclamou hoje da demora da França na entrega de armas para ajudar no combate aos jihadistas. No final do ano passado, a Arábia Saudita aceitou repassar US$ 8 milhões ao exército libanês para que ele pudesse comprar material bélico da França.

Além disso, no último mês de junho, uma conferência em Roma sobre a expansão do conflito sírio para o Líbano havia decidido que a comunidade internacional deveria oferecer apoio ao exército libanês.

“Precisamos de equipamentos e tecnologias que não possuímos. É necessário que se acelere a ajuda militar com a entrega do material requisitado à França no acordo assinado com a Arábia Saudita e ratificado em Roma”, declarou o general.

Desde sábado, 16 soldados libaneses já morerram em confrontos com os jihadistas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.