Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Líder da Irmandade Muçulmana é condenado à prisão perpétua no Egito

media Líder supremo da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie. REUTERS/Al Youm Al Saabi Newspaper/Files

A justiça egípcia condenou neste sábado (5) o líder supremo da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, à prisão perpétua. Ele foi condenado por participação em manifestação violenta juntamente com 36 islamitas.

O líder supremo da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, já está detido. Como quase toda a direção movimento islâmico egípcio, ele é acusado em uma dezena de processos e já foi condenado inclusive à morte em dois deles. A Irmandade Muçulmana e seus partidários são julgados principalmente por sua responsabilidade e participação nas violentas manifestações ocorridas após a destituição do presidente Mohamed Mursi, há um ano.

Irmandade Muçulmana proibida

A Irmandade Muçulmana, movimento do ex-presidente Mursi, foi proibida pelas novas autoridades egípcias e quase toda sua direção foi detida. Hoje, além de Mohamed Badie, 36 islamitas também foram condenados à prisão perpétua, entre eles dois ex-ministros de Mursi e dois ex-parlamentares. A justiça egípcia ainda confirmou hoje a condenação à morte de 10 co-acusados por essa manifestação em Qalioub, no delta do Nilo, que deixou dois mortos em julho de 2013.

Desde a destituição e prisão pelo exército do ex-presidente Mursi, as autoridades egípcias são acusados de usar a Justiça como um instrumento de repressão, principalmente contra a poderosa Irmandade Muçulmana que venceu as únicas eleições democráticas organizadas no país em 2011, após a revolta que derrubou Hosni Mubarak.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.