Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Voo MH370 estava em piloto automático, dizem autoridades australianas

media O vice-primeiro-ministro da Austrália, Warren Truss. Reuters/B Mathur/Files

O voo da Malaysia Airlines, que desapareceu sem deixar rastros no dia 8 de março com 239 pessoas a bordo, estava provavelmente no piloto automático quando caiu no oceano Índico. A informação foi revelada na manhã desta quinta-feira (26) pelo vice-primeiro-ministro australiano, Warren Truss.

A Austrália coordena as buscas pelo Boeing 777. Durante a entrevista, o vice-premiê disse que foi definida uma nova zona de buscas pelo avião, mais ao sul, com a ajuda da análise de novos dados de satélites e radares.

Warren Truss declarou que a aeronave estava provavelmente no piloto automático porque, caso contrário, a rota não poderia ter sido corretamente identificada pelos satélites. “Nós achamos que o aparelho estava no piloto automático até ficar sem combustível”, observou o diretor da Agência Australiana de Segurança Aérea.

Mistério completo

O voo da Malysia Airlines, que fazia a rota Kuala Lumpur - Pequim, desapareceu logo depois da decolagem. Os investigadores pensam que o avião foi desviado da rota e caiu no Oceano Índico, na costa australiana.

Quase quatro meses apos o sumiço, as buscas pelo aparelho fracassaram até o momento e o mistério permanece completo. A nova fase de buscas deve começar em agosto e podem durar até um ano, cobrindo 60 mil quilômetros quadrados do oceano, a um custo de 60 milhões de dólares australianos (R$ 124 milhões). As operações já são as mais caras da história da aviação.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.