Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/07 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Justiça egípcia confirma pena de morte para 183, entre eles líder da Irmandade Muçulmana

media Famílias dos condenados à morte reagem à confirmação da sentença diante do tribunal de Minya, no centro do Egito. REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

O tribunal de Minya, no centro do Egito, confirmou neste sábado (21) a condenação à morte de 183 partidários do presidente deposto Mohamed Mursi. O líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, faz parte dos condenados. A comunidade internacional criticou o julgamento. 

Inicialmente, o processo havia sido concluído com uma condenação à pena de morte para 683 pessoas, acusadas de serem próximas do ex-presidente egípcio, e de terem participado de manifestações violentas em agosto do ano passado na cidade de Minya. Mas na manhã deste sábado a justiça absolveu 496 réus e comutou em prisão perpétua a pena capital que havia sido anunciada para quatro pessoas, entre elas duas mulheres.

O chefe da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, faz parte dos condenados à morte. Assim como os demais, o líder da confraria, da qual faz parte Mursi, teve sua sentença pronunciada em apenas alguns minutos, o que levantou dúvidas sobre a legitimidade do julgamento.

A decisão do juiz Saïd Youssef Sabry, conhecido por ser linha-dura, suscitou críticas da comunidade internacional. As Nações Unidas denunciam o que qualificaram de “maior processo em massa” da história recente.

Analistas chamam a atenção para o fato de que o balanço do governo pós-Mursi, deposto em 2013 após uma revolta popular e um golpe orquestrado pelo exército, peca em termos de Diretos Humanos, apesar das promessas de estabilidade feitas pelo governo de transição. “Eles repetem os abusos praticados sob o regime de Hosni Mubarak”, declarou às agências de notícias Geoffrey Mock, especialista do Egito na Anistia Internacional. A Ong pediu que as condenações sejam anuladas. 
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.