Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Após ataque a Parlamento, europeus se dizem preocupados com situação na Líbia

media Homens armados invadiram o Parlamento da Líbia neste domingo (18). REUTERS/Stringer

A União Europeia se declarou nesta segunda-feira (19) muito preocupada com a "degradação" da situação na Líbia. No domingo, um grupo armado atacou o Parlamento em Tripoli para reivindicar sua dissolução. As autoridades enfrentam dificuldades para estabilizar o país, dois anos e meio após a queda de Muammar Kadafi.

A situação continua confusa nesta segunda-feira (19) na capital Tripoli, depois que um grupo armado atacou, no domingo, o Parlamento, a mais alta autoridade política no país, para reivindicar sua dissolução.

Testemunhas afirmam que o ataque foi promovido pelas brigadas de Zenten, um grupo armado que combate extremistas islâmicos e já promoveu uma ação semelhante em fevereiro passado. O grupo armado deixou o Parlamento poucos minutos depois do ataque e entrou em confronto com milícias rivais na estrada que leva para o aeroporto da capital líbia. Pelo menos duas pessoas morreram e 55 ficaram feridas, segundo as autoridades.

A União Europeia está "muito preocupada" com a "degradação" da situação na Líbia, disse nesta segunda-feira Michael Mann, porta-voz da chanceler europeia, Catherine Asthon. Os europeus pedem que todas as partes envolvidas "evitam o uso da força" e "trabalhem juntas" a fim de favorecer "uma transição bem-sucedida" na Líbia.

Milícias armadas

Desde a queda de Muammar Kadafi, em outubro de 2011, o governo de transição da Líbia tenta sem sucesso controlar as milícias armadas formadas por ex-rebeldes e dominadas por grupos islâmicos radicais. Essas milícias aproveitam a incapacidade do Estado de garantir a segurança da população para ditar suas próprias regras, criando um clima de anarquia na Líbia.

A situação também é caótica em Benghazi, a principal cidade do leste da Líbia, onde um militar aposentado, que combateu Kadhafi, lançou uma ofensiva na sexta-feira (16) contra rebeldes islâmicos fortemente armados que dominam a cidade. Os combates deixaram 79 mortos e 141 feridos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.