Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

24 pessoas são presas após acidente em mina turca

media Mulheres homenageiam mortos em incêndio em mina na Turquia. REUTERS/Osman Orsal

A polícia turca prendeu 24 pessoas, incluindo executivos de uma companhia de mineração, como parte de uma investigação sobre o desastre que matou 301 trabalhadores em uma mina no país, afirmaram emissoras de televisão neste domingo (18). A operação de resgate na mina de carvão em Soma, no oeste da Turquia, foi encerrada ontem.

Este foi o pior acidente industrial do país. O desastre aconteceu na terça-feira, quando um incêndio emitiu grande quantidade de monóxido de carbono na mina operada pela Soma Madencilik.

A explosão teria ocorrido depois de uma falha elétrica. Um representante da polícia afirmou à agência Reuters que promotores públicos estavam questionando funcionários da companhia em um tribunal de Soma.

A operadora nega ter negligenciado a segurança dos trabalhadores. Os procuradores que investigam o caso pedem a prisão preventiva do diretor-geral da Soma Madencilik, Akin Celik.

Um relatório preliminar sobre o acidente indica ter havido uma série de negligências no local, como a falta de um detector de monóxido de carbono. A maioria das vítimas faleceu devido à intoxicação pelo gás.

Protestos

A tragédia provocou protestos pela Turquia contra os donos da empresa e o governo do primeiro-ministro, Tayyip Erdogan, considerado muito próximo do setor industrial e insensível na resposta ao desastre. O Ministério do Trabalho também nega qualquer responsabilidade no drama e argumenta que a mina era inspecionada a cada seis meses.

Neste domingo, o acesso à mina foi bloqueado com barreiras e qualquer manifestação no local está proibida. Somente os investigadores e seguranças estão autorizados a se aproximar de Soma.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.