Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Presidente da Ucrânia apela para moradores do leste rejeitarem referendo

media Urnas sendo preparadas para votação em Donetsk, em 10 de maio. AFP PHOTO / GENYA SAVILOV

O presidente da Ucrânia, Oleksander Tourchinov, pediu neste sábado (10) que os eleitores não votem "sim" no referendo marcado para este domingo em várias regiões do leste do país para evitar, segundo ele, o caos econômico e social. Autoridades de Kiev e países ocidentais consideram ilegais as votações previstas em Donetsk e Lugansk.

Os separatistas pró-russos realizam neste domingo um referendo pelo independência das repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk, que são russófonas. O presidente Tourchinov convocou os moradores para participarem de "mesas redondas" para discutirem uma maior autonomia dessas regiões.

A votação, cuja organização apresenta muitas falhas e problemas como a autenticidade das listas eleitorais e das cédulas de voto, pode levar o país à guerra civil, independentemente dos resultados.

Uma secessão com a Ucrânia "seria um passo em direção ao abismo" para essas regiões, declarou o presidente em seu site na internet. Ele evocou um "terror nojento" que tem o apoio de grande parte da população local. "É um problema complexo quando uma população enganada pela propaganda russa apoia os terroristas", acrescentou.

Os separatistas respondem que eles estão se defendendo de um governo que consideram fascista e anti-russo. Depois da anexação da Crimeia à Rússia, uma secessão de Donetsk e Lugansk, regiões siderúrgicas e de carvão que representam 16% do PIB ucraniano, vai ser mais um duro golpe para o poder de Kiev.

Clima de tensão

Apesar do clima de tensão em diversas cidade do leste, não houve registros de confrontos. Em Marioupol, onde sete pessoas foram mortas na sexta-feira em combates violentos, rebeldes ergueram barricadas com pneus e latas de lixo para bloquear as ruas.

Uma fumaça pode ser vista no prédio da administração pública que foi incendiado. Aparentemente, não há presença das forças ucranianas. Em Slaviansk, reduto dos separatistas fortemente mobilizados, barricadas também foram erguidas nas ruas com ajuda de pneus, móveis e até lataria de carros.

Humanitários liberados

O Comitê Internacional daCruz Vermelha lançou neste sábado um apelo para que as partes envolvidas na crise ucraniana respeitem a neutralidade dos trabalhadores humanitários. Oito voluntários e um integrante suíço, do Comitê foram detidos por várias horas ontem à noite em Donetsk, reduto dos separatistas pró-russos.

Eles foram liberados poucas horas depois, mas um deles fico ferido no incidente e foi levado para o hospital. Um porta-voz dos separatistas informou que eles foram detidos diante da suspeita de que eram espiões.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.