Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Costa Rica terá primeiro presidente social-democrata da história

media Conquistado mais de 70% dos votos na segunda volta das presidenciais, de domingo, Luis Guillermo Solis foi eleito Presidente da Costa Rica. REUTERS/Juan Carlos Ulate

Pela primeira vez em mais de 50 anos, a Costa Rica terá um presidente que não pertence às duas correntes políticas tradicionais de direita, o Partido de Liberação Nacional e o Partido da Unidade Social Cristã. O social-democrata Luis Guillermo Solis do Partido da Ação Cidadã foi eleito neste fim de semana com quase 80% dos votos.

A vitória no primeiro turno, com 30% dos votos já tinha sido uma surpresa. Mas ainda mais surpreendente foi a decisão de seu adversário Johnny Araya, do PLN, de não disputar o segundo turno, com medo de uma derrota devastadora, como previam as pesquisas de opinião no início de março. Ele saiu do páreo e deixou uma via aberta para a vitória do professor universitário Solis, de 55 anos.

Apesar de elogiar a vontade de mudança expressa pelo povo da Costa Rica nas eleições, Solis lamentou a desistência do adversário que, de acordo com ele, enfraquece a democracia. Sinal deste enfraquecimento foi a abstenção recorde de 43,2% no pleito. Mesmo assim, mais de 1 milhão dos 3 milhões de costarriquenhos consagrou seu voto ao social-democrata.

Luis Guillermo Solis pertencia ao PLN, mas deixou o partido depois dos dois governos consecutivos de Araya, que elevaram o déficit fiscal em quase 6% e alavancaram a dívida pública a quase 70% do PIB. Para Solis, fruto de uma virada neoliberal que fez a sigla perder sua identidade e sucateou a educação e a saúde.

Apesar da ampla vitória, o novo presidente terá pela frente o desafio de governar com um congresso ainda dominado pelo PLN, que detém 18 das 57 cadeiras, contra 13 do PAC.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.