Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Violento atentado em Beirute mata conselheiro do ex-premiê Hariri

media O atentado foi realizado com carro bomba e deixou 5 mortos em Beirute. Twitter/@Nour_Samaha

A violência volta a atingir o Líbano. Um atentado nesta sexta-feira no centro de Beirute matou 5 pessoas, entre elas o ex-ministro das Finanças Mohammad Chatah, conselheiro e muito próximo do ex-primeiro ministro Saad Hariri, líder de uma coalizão de oposição ao regime sírio.

O carro onde Chatah se encontrava ficou completamente destruído após a explosão provocada por um carro bomba, segundo a Agência Nacional de Informação (ANI). O atentado deixou pelo menos 50 feridos, de acordo com um balanço provisório.

A forte explosão foi ouvida em toda a capital libanesa e aconteceu às 9h40 pelo horário local. Uma grande coluna de fumaça preta foi vista a partir de um bairro conhecido pela atividade econômica e seus hotéis de luxo.

Um restaurante e um café ficaram completamente destruídos e vários carros incendiados. As forças de ordem bloquearam o acesso à região central de Beirute enquanto ambulâncias levaram feridos aos hspitais.

Mohammad Chatah se dirigia para a casa de Hariri que não se encontra no país, mas no local estava agendada na manhã de hoje uma reunião da coalizão chamada de 14 de março, que apoia a oposição síria e defende a queda do regime de Bashar Al-Assad. O ataque ainda não foi reivindicado.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.