Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Ajuda americana chega às Filipinas para vítimas do supertufão

media Crianças no aeroporto de Tacloban à espera de um avião para a capital Manila. REUTERS/Wolfgang Rattay

O porta-avião George Washington chegou nesta quinta-feira ao largo das Filipinas, com cinco mil homens a bordo, 21 helicópteros, sete navios, equipamento médico, abastecimento e especialistas para ajudar os sobreviventes da passagem do supertufão Haiyan. A Grã-Bretanha anunciou o envio do porta-helicópteros HMS Illustrious.

O número oficial de vítimas fatais ultrapassa 2.350. A ONU estima mais de dez mil mortos só em Tacloban, a cidade mais atingida pelo supertufão.Os soldados americanos distribuíram galões de água e alimentos no aeroporto de Tacloban.

Os primeiros corpos - cerca de uma centena - foram enterrados nesta quinta-feira em uma fossa comum, após dias se acumulando. Muitos cadáveres ainda estão pelas ruas da cidade e a decomposição dos corpos pode trazer riscos sanitários.

O prefeito Alfred Romualdez pede mais “homens e equipamentos” para ajudar na coleta dos mortos. “Uma comunidade nos chama para buscar quatro ou cinco corpos, mas quando chegamos são quarenta”, declarou o prefeito.

Desesperados diante da lentidão da chegada de ajuda, centenas de sobreviventes se dirigem todos os dias ao aeroporto em ruínas, na esperança de conseguir um lugar em algum voo de partida. “É o caos”, diz um responsável pela aviação civil.

O desespero é agravado pelos saques realizados pela população faminta. Oito pessoas morreram na terça-feira após a queda da parede de um depósito de arroz durante um saque.

A ONU declarou que são necessários 301 milhões de dólares para lidar com a situação emergencial nas Filipinas. Os Estados Unidos prometeram 20 milhões de dólares. O governo chinês, criticado pelo anuncio de ajuda inicial de apenas 200 mil dólares, anunciou que vai liberar mais 1,6 milhão de dólares para as Filipinas.

A passagem do tufão Haiyan deixou mais de 544 mil desabrigados, segundo a ONU.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.