Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Irã e AIEA fecham acordo sobre inspeções nucleares

media O chefe da agência atômica iraniana, Ali Akbar Salehi (à esquerda), cumprimenta Yukiya Amano, da AIEA, nesta segunda-feira 11 de novembro de 2013, em Teerã. AFP PHOTO/ATTA KENARE

A Agência Internacional de Agência de Energia Atômica (AIEA) e o Irã assinaram nesta segunda-feira uma declaração conjunta que prevê inspeções em instalações nucleares iranianas consideradas sensíveis, incluindo o reator de água pesada da usina de Arak e a mina de urânio de Gachin.

O chefe da agência iraniana de energia atômica, Ali Akbar Salehi, e o chefe da AIEA, Yukiya Amano, disseram em uma entrevista coletiva conjunta em Teerã que a declaração contém um roteiro de seis etapas aceitas "voluntariamente" pelo Irã. A primeira delas deve durar seis meses e "tem o objetivo de criar mais confiança entre as partes", declarou Salehi. "Nas fases seguintes, especialistas iranianos e da AIEA abordarão outras questões, inclusive sem componente nuclear direto", explicou o iraniano.

A base de militar de Parchin, perto de Teerã, foi excluída, por enquanto, das inspeções. A AIEA suspeita que os iranianos realizaram em Parchin testes de explosão nuclear. Desde 2012, o Irã nega à AIEA acesso a instalações militares consideradas suspeitas pelas grandes potências.

O chefe da AIEA qualificou de "muito importante" o compromisso assinado hoje com o Irã, mas acrescentou que "ainda resta muito a fazer" para resolver as dúvidas sobre uma possível dimensão militar do programa nuclear civil iraniano. "A AIEA resolverá todas as questões pendentes, presentes e passadas, por meio dessa cooperação", disse Amano.

As negociações do Irã com a AIEA são distintas das conduzidas pelo chamado P5+1, grupo que compreende os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China) mais a Alemanha. No fim de semana, o P5+1 encerrou um ciclo de reuniões em Genebra sem concluir um acordo. Uma nova rodada de discussões foi marcada para o dia 20 de novembro.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.