Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Pesquisa da OMS reconhece que poluição pode causar câncer

media A poluição atmosférica pode provocar câncer, segundo a OMS AFP PHOTO / MARIO LAPORTA

A poluição do ar que respiramos todos os dias nas grandes cidades é cancerígena, de acordo com um relatório divulgado nesta quinta-feira (17) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo a organização, esse ar contém uma mistura de substâncias que provocam a doença, e já é uma das principais causas do câncer.

De acordo com especialista Kurt Straif, do Centro Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (CIRC), "agora sabemos que a poluição do ar não é apenas um risco para a saúde em geral, mas também uma das principais causas das mortes por câncer", declarou.

De acordo com Christopher Wild, diretor do centro, a poluição atmosférica agora é considerada um fator cancerígeno para seres humanos.

As chamadas partículas finas, que podem ser detectadas na poluição, são as que trazem mais riscos, segundo dados no CIRC. Só em 2010, 223 mil pessoas morreram vítimas de um câncer de pulmão ligado à poluição.

Todas as pesquisas mostram que o risco de desenvolver um câncer aumentam nas pessoas expostas à poluição atmosférica.

Entre as principais causas deste aumento estão o transporte, a agricultura, além do aquecimento e dos equipamentos de cozinha das residências.

Por enquanto, ainda não foi possível estabelecer qual o grupo mais propenso a desenvolver a doença. Mas o risco aumenta em todas as categorias, já que o nível de exposição cresceu significativamente em algumas regiões do mundo, como a China por exemplo.

Ele também chama atenção para a necessidade de instaurar tais medidas de redução da poluição. As conclusões do estudo serão publicadas em detalhes no dia 24 de outubro no site The Lancet Oncology.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.