Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Russos e suíços divergem sobre envenenamento de Arafat por polônio

media As causas da morte do líder Yasser Arafat ainda são motivo de muitas especulações. REUTERS/Magnus Johansson

A análise feita por especialistas russos de amostras do corpo de Yasser Arafat permite excluir a tese de envenenamento por polônio 210, substância que não foi encontrada, afirmou nesta terça-feira o chefe da agência federal de análises biológicas citado pela Interfax. Relatório de especialistas suíços publicado na revista especializada The Lancet confirma a hipótese de que o líder palestino foi envenenado por polônio após análises dos pertences de Arafat.

"Ele não pode ter sido envenenado por polônio. Os experts russos que fizeram a análise (das amostras) não encontraram nenhum traço desta substância”, declarou o chefe da agência russa, Vladimir Ouïba. Ele afirmou que os especialistas russos informaram regularmente o ministério das Relações Exteriores do avanço das investigações.

O artigo da revista médica britânica The Lancet, citando resultados de uma análise feita por especialistas suíços que teriam encontrado traços de polônio 210,  relançou a tese de envenenamento do líder palestino morto em 2004 no hospital militar francês de Percy, nos arredores de Paris. O polônio 210 é uma substância radioativa altamente tóxica.

A hipótese havia sido evocada em julho de 2012 com a exibição de um documentário da rede de televisão Al-Jazeera afirmando que traços de polônio haviam sido encontrados por experts suíços em objetos pessoais de Arafat como roupas íntimas, escova de dente, roupas esportivas e até gorros.

Os cientistas confirmaram seus questionamentos sobre a possibilidade de tal cenáriona na revista The Lancet . “Várias amostras contendo vestígios de fluidos corporais (sangue e urina) continham uma radioatividade maior e inexplicável de polônio 210 em comparação com as amostras de referência ", escreveram os peritos do Instituto de Radiofísica (IRA, na sigla em inglês) de Lausanne.

Eles lembraram que os resultados clínicos de Yasser Arafat no momento de sua morte não excluíram o envenenamento por polônio 210.Ainda são aguardas conclusões oficiais de três análises científicas de franceses, suíços e russos.

Justiça

Depois da exibição do documentário pela rede Al-Jazeera, a viúva do líder palestino, Souha Arafat, prestou queixa na justiça francesa que na época havia decidido pela exumação do corpo do líder palestino, o que foi efetuado em novembro de 2012.

Cerca de 60 amostras foram divididas para serem analisadas por três equipes de investigadores suíços, russos e franceses. Cada equipe trabalha individualmente, sem contato com os testes efetuados por outro grupo de especialistas.

Muitos palestinos acusam Israel de ter envenenado Yasser Arafat, mas o governo israelense nega qualquer responsabilidade na morte do líder palestino. Arafat morreu no dia 11 de novembro de 2004, aos 75 anos. Ele foi transferido ao hospital militar de Percy após sofrer de dores abdominais em seu QG de Ramallah onde  vivia confinado pelo exército israelense.

O relatório do hospital indicou uma inflamação intestinal e problemas de coagulação,mas sem elucidar as causas de sua morte.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.