Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Tratado Internacional sobre Direitos das Domésticas entra em vigor

media Leci Aniceto dos Santos, empregada doméstica, diz que só trabalhaa com carteira assinada . Foto: Wilson Dias/ABr

O Tratado Internacional sobre os Direitos das Empregadas Domésticas, adotado 2011 pelos países integrantes da OIT, entra em vigor nesta quinta-feira, 5 de setembro de 2013. A convenção vai melhorar as condições de trabalho de mais de 50 milhões de pessoas no mundo. O Brasil, que aprovou a PEC das domésticas, ainda não ratificou o Tratado Internacional.

O Tratado Internacional sobre os Direitos das Empregadas Domésticas entra em vigor nesta quinta-feira e pode melhorar a vida de 52 milhões de pessoas no mundo. A convenção foi adotada em 2011 pelos 184 países membros da Organização Internacional do Trabalho(OIT), mas ainda não havia sido ratificada pelo número mínimo de países. Com a ratificação no último ano de oito nações, entre eles Uruguai, Paraguai e Bolívia, o texto pode ser colocado em prática. O Brasil ainda não ratificou o tratado, mas deve fazê-lo em breve.

A convenção prevê a fixação de uma jornada de trabalho com horários previamente estabelecidos com o empregador, salário mínimo, plano de saúde e também assegura às domésticas o direito à atividade sindical.

Segundo a ONG Human Rights cerca de 30% dos trabalhadores domésticos - e a grande maioria são mulheres - não dispõem de nenhuma proteção legal. Ao menos 45% não têm direito a sequer um dia de férias no ano. Esta é de longe a categoria profissional mais exposta ao trabalho escravo. As crianças formam um contingente de 15,5 milhões de trabalhadores domésticos.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.