Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Síria nega que tenha usado armas químicas contra rebeldes

media Membros do Exército Sírio Livre em ação na cidade de Alepo no norte da Síria. REUTERS/Muzaffar Salman

O regime do presidente sírio Bashar Al-Assad desmentiu hoje as acusações dos Estados Unidos de que tenha usado armas químicas contra os rebeldes. A Rússia apoiou as declarações oficiais de Damasco.

Os Estados Unidos mentem ao afirmarem que o exército sírio usa armas químicas contra os rebeldes. Essa é a posição oficial do governo de Bashar-al Assad após os EUA terem reconhecido ontem que o regime sírio utilizou armas químicas, incluindo o gás sarin, contra rebeldes e civis. “A Casa Branca publicou um comunicado cheio de mentiras sobre o uso de armas químicas, baseando-se em informações fabricadas”, diz um alto diplomata sírio à agência oficial Sana.

Essa mesma fonte diplomática também criticou a decisão dos EUA de apoiarem militarmente os rebeldes. “Armas grupos terroristas mostra (...) um envolvimento direto dos Estados Unidos no banho de sangue sírio”. A diplomacia russa também julgou “pouco convincentes” as acusações americanas e criticou a decisão de Barack Obama de ajudar militarmente a oposição.

Em julho do ano passado, o governo sírio admitiu possuir um arsenal de armas químicas. Ao longo dos dois anos de conflito entre opositores e rebeldes, ambos os lados se acusam mutuamente de usarem armas não-convencionais. O governo, porém,se recusa a autorizar a entrada de inspetores da ONU para investigarem as acusações.

O conselheiro-adjunto de segurança da Casa Branca, Ben Rhodes, informou o Congresso que "Barack Obama decidiu fornecer maior suporte à oposição, incluindo apoio militar". Na próxima segunda-feira, o G8 se reunirá em Ulster, na Irlanda, com a presença de Obama, para decidir sobre qual será a resposta da comunidade internacional.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.