Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

China envia navios para ilhas disputadas e reacende tensão com Japão

media Navios de observação chineses entraram nesta terça-feira (23) no mar das ilhas Senkaku-Dioayu REUTERS/Kyodo

O tom de agressividade entre a China e o Japão voltou a subir por causa da disputa do arquipélago de Senkaku. O território é administrado pelo Japão, mas é reivindicado pela China. Hoje, oito navios chineses entraram nas águas territoriais do Japão, o que provocou a ira das autoridades japonesas.

Segundo as autoridades japonesas, a frota chinesa é composta por oito navios de vigilância marítima que chegaram a 22 quilômetros da costa do arquipélago de Senkaku, chamado de Diaoyu pela China. Esta é a primeira vez que Pequim envia tantas embarcações para o local desde que a crise entre os dois países se agravou em setembro do ano passado. As ilhas inabitadas foram compradas pelo governo japonês, mas a soberania japonesa é contestada pela China.

No parlamento japonês, o premiê Shinzo Abe declarou que o país está pronto para evitar por meio da força o desembarque não-autorizado de forças chinesas. Em apoio às declarações do primeiro-ministro, o Ganbare Nippon, um movimento nacionalista japonês, anunciou o envio de nove navios pesqueiros para assegurar a soberania japonesa no local.

O arquipélago fica a 400 km ao sul do Japão e, além de ser um ponto estratégico militar, possui potencial energético com reservas inexploradas.

A operação naval chinesa no arquipélago e de Senkaku coincidiu com a visita de 168 parlamentares japoneses nesta terça-feira ao memorial de Yasukuni, no centro de Tóquio. O monumento foi erguido em homenagem aos 2,5 milhões de soldados japoneses que morreram pelo país. O local é visto por chineses e coreanos como um símbolo do militarismo japonês. Um porta-voz da diplomacia chinesa disse que a visita dos parlamentares nega o passado bélico do Japão.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.