Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Presidente do Egito defende nova Constituição do país

media Presidente Mohamed Mursi, durante discurso no Senado, neste sábado, 28 de dezembrop de 2012. Reuters

O presidente egípcio, Mohamed Mursi, afirmou que a nova Constituição do país, aprovada em referendo mas que divide a população, garante a igualdade de direitos para todos. A declaração foi feita em um discurso no Senado que recuperou seus poderes legislativos com a entrada em vigor da Carta Magna.

"Todos são iguais diante da lei e dentro dessa Constituição”, declarou o presidente Mursi em referência ao texto elaborado por uma comissão dominada por islâmicos como ele, e aprovada recentemente por um refererendo. Mursi prometeu “liberade para todos, sem excessão”.

Na votação realizada em dois dias, 15 e 22 de dezembro, onde apenas um terço dos eleitores compareceram às urnas, os egípcios aprovaram a carta Magna com cerca de 64% dos votos. A Constituição provocou uma série de manifestações reprimidas com violência entre adversários e partidários do presidente Mursi.

O texto entrou em vigor e devolve o poder legislativo ao Senado, que é dominado por islâmicos, enquanto o país prepara novas eleições legislativas previstas para dentro de dois meses.

A oposição acusa o novo texto de deixar caminho livre para uma influência crescente do islamismo na legislação e de não oferecer garantias aos direitos das mulheres e também à liberdade de expressão e de culto.

O presidente Mursi estima que a Constituição põe um fim aos dois anos de transição política no país, desde a queda do ex-ditador Hosni Mubarak, e por isso pediu que os esforços agora estejam concentrados em combater a crise econômica.

A situação do Egito se agravou com a queda da moeda nacional, a libra egípcia e com a suspensão de um empréstimo de 4,8 bilhões de dólares do FMI devido a instabilidade política do país.“Indicadores globais da situação social e econômica monstraram progressos consideráveis”, afirmou o presidente.

Síria

Mohamed Mursi expressou também neste sábado seu apoio à revolta popular na Síria contra o regime de Bashar Al Assad, que segundo o presidente egípcio, não deve seguir no comando do país.

A prioridade do governo do Egito é terminar com os combates e o derramamento de sangue e contribuir para uma solução política como defendem os países árabes e a comunidade internacional.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.