Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Mursi encarrega Exército de proteger o Egito durante referendo

media Manifestantes pró-Mursi se reúnem para rezar e expulsar das ruas do Cairo opositores do presidente. REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

O presidente do Egito, Mohamed Mursi, deu ordem ao Exército para preservar a segurança do país durante o referendo constitucional previsto para o próximo dia 15 de dezembro. Mursi emitiu um decreto nesta segunda-feira que autoriza as Forças Armadas egípcias a deterem civis e colocá-los à disposição da justiça, caso essas medidas sejam necessárias para manter a segurança e a proteção de instalações estratégicas do Estado.

Pelas orientações do decreto, até que seja anunciado o resultado do referendo, os militares devem agir em conjunto com a polícia, uma contingência que já aconteceu no passado. As novas atribuições são complementares ao papel das Forças Armadas de proteger o Egito e sua integridade territorial, afirma um comunicado da presidência.

A realização do referendo divide o Egito. A oposição laica contesta o texto da nova Constituição, que foi aprovada por uma Assembleia Constituinte de maioria islâmica. A Irmandade Muçulmana, movimento do presidente, convocou para esta terça-feira manifestações de apoio à consulta popular e ao projeto constitucional.

Após duas semanas de protestos nas ruas do Cairo, no sábado passado, Mursi revogou o decreto que tinha lhe dado plenos poderes perante a justiça, mas manteve a data fixada para o referendo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.