Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Exército prega diálogo para superar crise política no Egito

media O Exército enviou tanques às ruas próximas do palácio presidencial, neste sábado, no Cairo. AFP PHOTO/GIANLUIGI GUERCIA

No primeiro comunicado oficial após duas semanas de protestos contra o presidente egípcio, Mohamed Mursi, o Exército quebrou o silêncio e pregou hoje "o diálogo como a melhor e única via para resolver a crise política" no país.

A nota oficial das Forças Armadas afirma que o Exército "sempre esteve ao lado do grande povo egípcio e está determinado a conservar sua unidade". "Caso contrário, empreenderíamos um caminho obscuro que culminaria num desastre que não podemos permitir", acrescentam as Forças Armadas no texto.

O Exército não havia tomado posição desde o começo da crise entre opositores e o presidente Mursi, iniciada com a publicação do decreto presidencial que deu plenos poderes ao chefe de Estado, acima do poder judiciário. Mursi já acumulava os poderes executivo e legislativo e por isso passou a ser chamado nas ruas do Cairo de o "novo faraó do Egito". A oposição também exige a retirada do projeto da nova Constituição. Mursi cogitou adiar o referendo sobre o texto constitucional, previsto para o dia 15 de dezembro, mas não anunciou uma decisão oficial.

O projeto da nova Constituição egípcia cria polêmica. O texto foi redigido por parlamentares da maioria islâmica com base em preceitos religiosos islâmicos. Artigos dão margem a interpretações duvidosas sobre os direitos das mulheres e outras instituições. Essa "islamização" acentuada da legislação ameaça liberdades individuais, em particular a liberdade de expressão e de religião, o que voltou a unir a oposição liberal, laicos, cristãos coptas e outros grupos minoritários no Egito contra o presidente Mursi, que é membro da Irmandade Muçulmana.

Opositores continuam acampados no centro do Cairo, mas a noite de sexta-feira para sábado foi calma, ao contrário das madrugadas precedentes. Neste sábado, não há registro de distúrbios graves envolvendo manifestantes e policiais.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.