Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Líbios e americanos investigam relação entre petrolíferas e Kadafi

media Saif al-Islam, filho mais velho do ex-ditador líbio Muammar Gaddafi, à direita, conversa com o presidente da petrolífera italiana Eni, em Milão, em foto de 7 de dezembro de 2009. REUTERS/Alessandro Garofalo/Files

As autoridades americanas e líbias estão investigando as relações entre as companhias petrolíferas estrangeiras e o regime do ex-ditador Muammar Kadafi, de acordo com uma reportagem do Wall Street Journal, confirmado ontem por uma autoridade do país. As empresas italiana Eni e francesa Total seriam as mais implicadas.

O Ministério Público da Líbia investiga sobre as possíveis irregularidades financeiras cometidas por “atores estrangeiros e líbios na Líbia”, de acordo com Abdelmajid Saad, procurador-geral-adjunto, citado pelo jornal americano. Salem Qanan, diretor da Comissão Petrolífera do Conselho Nacional de Transição líbio (CNT), confirmou a informação.

“Existem suspeitas sobre alguns contratos concluídos entre a Companhia Nacional do Petróleo e companhias estrangeiras, que parecem ter sido influenciados por Saif al Islam [um dos filhos de Kadafi]”, afirmou.

O MP local solicitou diversos documentos, em março, ao responsável de uma auditoria na Companhia Nacional do Petróleo (NOC). A documentação inclui transações realizadas com a gigante de matérias-primas Glencore e a Vitol, a líder mundial de comércio de petróleo.

“Respeitando os contratos passados, o governo deve se assegurar que eles são transparentes e não estão sob qualquer suspeita”, justificou Mohammed al Harizey, porta-voz do CNT.

O assessor de comunicação da NOC, Ahmed Shawki, confirmou que a companhia entregou todos os documentos solicitados, “como manda a lei”. Segundo o Wall Street Journal, autoridades americanas que fiscalizam operações de mercado pediram detalhes à Eni e à Total sobre as transações realizadas na Líbia durante o regime de Kadafi, que poderiam conter “certos depósitos ilícitos a oficiais libios, o que poderia violar a lei americana sobre corrupção no exterior”.

A Eni é a principal operadora estrangeira de petróleo no país norte-africano e afirma que foi questionada sobre os negócios fechados entre 2008 e o início de 2011. A americana Marathon Oil Corp também foi procurada para prestar esclarecimentos em fevereiro.

Em caso de comprovação de ilegalidades, as companhias podem ser condenadas a pagar uma multa de “pelo menos o dobro” dos valores envolvidos, e poderiam enfrentar dificuldades para fechar novos contratos, conforme o jornal.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.