Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/04 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/04 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/04 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Navio francês reboca Costa Allegra para Mahé

media Imagem desta segunda-feira mostra o navio Costa Allegra à deriva no Oceano Índico. REUTERS/Indian Navy/Handout

Um navio de pesca de alto mar francês rebocou nesta terça-feira o Costa Allegra, após um incêndio na costa da Seicheles no Oceano Índico. Com mais de mil pessoas a bordo, a embarcação é da mesma companhia do Costa Concordia, que naufragou em janeiro em águas italianas, deixando 32 mortos.

Segundo um comunicado da guarda costeira, o barco pesqueiro francês chegou durante a noite ao local e leva o Costa Allegra até a Ilha Mahé, a principal das Seicheles. Um helicóptero chegou na manhã desta terça-feira até o navio com alimentos, telefones via satélite e rádios VHS. Ao todo, 14 especialistas da companhia responsável pelo cruzeiro, a Costa Cruzeiros, foram enviados para a zona na segunda-feira. Outras embarcações também são esperadas. Os passageiros foram orientados a preparar suas bagagens durante o dia, para um desembarque iminente.

No sábado, o navio de 188 metros saiu de Madagascar, na costa leste do continente africano, com 636 passageiros, de 25 nacionalidades diferentes, e 413 membros da tripulação. Ele devia chegar às Seicheles nesta terça-feira e depois seguir para o Oman e o Egito. Mas um incêndio na casa de geradores de energia deixou o navio sem luz e a deriva, desde a manhã de segunda-feira.

Não há mortos nem feridos a bordo, de acordo com a empresa. Já o diretor de operações marítimas da companhia, o comandante Giorgio Moretti, descarta o risco de pirataria, mas diz que não é possível ter 100% de certeza. A região é conhecida por ser uma zona de atuação de piratas somalis.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.