Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Presidente do Iêmen diz que vai para os EUA

media Manifestantes foram recebidos com tiros, jatos de água e gás lacrimogêneo, neste sábado. REUTERS/Khaled Abdullah

O presidente do Iêmen, Ali Abdallah Saleh, anunciou hoje que vai deixar em breve o país rumo aos Estados Unidos, mas não precisou nem a data, nem as circunstâncias da partida. Ele explicou que deseja dar espaço para o governo interino trabalhar.

Em novembro, Saleh assinou um acordo de transferência de poder para o seu vice-presidente, Abd-Rabbu Mansour Hadi, que vai comandar o país até a realização das eleições antecipadas para fevereiro de 2012.

“Eu vou aos Estados Unidos. Não para um tratamento, porque estou bem. Mas para evitar chamar atenção, as câmeras, e para permitir ao governo de união de preparar corretamente as eleições”, declarou, a jornalistas.

“Ficarei lá vários dias e depois retornarei, porque não vou deixar meu povo e meus camaradas que me são fieis há onde meses”, explicou, afirmando em seguida que vai se retirar da vida política e “retornar às suas enquanto membro da oposição”.

Em junho, durante um bombardeio ao palácio onde reside, na capital Sanaa, Saleh foi gravemente ferido e teve de permanecer hospitalizado por mais de três meses na Arábia Saudita. Protestos populares pedem a sua saída do poder desde fevereiro.

Neste sábado, dezenas de milhares de manifestantes se dirigiram ao palácio para exigir que Saleh seja submetido a um processo pela repressão ordenada por ele aos protestos populares, que resultou em centenas de mortos. A polícia revidou com tiros e matou sete manifestantes, deixando dezenas de outros feridos. Muitos deles tinham vindo a pé de Taez, a 270 quilômetros da capital, apenas para participar da manifestação.

Os policiais ainda utilizaram jatos de água e gás lacrimogêneo para afastar os manifestantes. Os feridos foram recebidos em diversos hospitais da cidade.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.