Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Tem início campanha para eleições históricas na Tunísia

media Manifestantes nas ruas de Túnis. Reuters/Z.Souissi

Teve início, neste sábado, a campanha eleitoral na Tunísia para as eleições de 23 de outubro. Ao todo, cerca de dez partidos participam do pleito histórico, o primeiro depois de mais de 20 anos do regime ditatorial de partido único do ex-presidente Zine el Abidine Ben Ali.

Primeiro país da chamada Primavera Árabe, a Tunísia também será o primeiro país a realizar eleições para eleger uma assembleia constituinte, nove meses depois da queda do regime de Ben Ali, que foi deposto do poder por uma revolução popular no dia 14 de janeiro.

Na capital Túnis, desde a manhã deste sábado, militantes e simpatizantes colavam cartazes com fotos dos candidatos nos locais reservados à publicidade. Os 217 membros da futura assembleia constituinte terão a responsabilidade de redigir a nova Constituição do país.

O Movimento Islâmico Ennahda, considerado o grande favorito do pleito, escolheu a cidade de Sidi Bouzid, berço da revolução tunisiana, para lançar sua campanha. Fortemente reprimidos durante o governo de Ben Ali, os partidos e candidatos islâmicos beneficiam de uma certa simpatia de parte da população por terem sido, durante anos, as ovelhas negras do antigo regime.

Porém, a oposição aos partidos islâmicos gosta de lembrar, com frequência, que não foram eles que fizeram a revolução.

Ao todo, 11 mil candidatos concorrem às eleições, sendo 800 por partidos políticos e 600 independentes.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.