Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Irã, Paquistão e Afeganistão anunciam cooperação antiterrorista

media O guia supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, conversa com o presidente afegão, Hamid Karzai, neste sábado em Teerã Reuters

Reunidos em Teerã, os líderes dos três países anunciaram que vão trabalhar em conjunto no combate ao terrorismo, a fim de proteger suas populações, e afastar o risco de novas intervenções estrangeiras na região. 

A cúpula de líderes, realizada neste sábado, em Teerã, contou com a presença do iraniano Mahmud Ahmadinejad, do afegão Hamid Karzai e do paquistanês Asef Ali Zardari. A declaração final, assinada pelos três presidentes, afirma que eles vão unir forças para eliminar o extremismo, o militarismo e o terrorismo, rechaçando a presença de forças estrangeiras na região.

O encontro aconteceu à margem de uma conferência internacional sobre terrorismo na capital iraniana, que contou com a participação de representantes de 60 países, entre eles o polêmico presidente do Sudão, Omar al Bashir, visado por um mandado de prisão internacional, o iraquiano Jabal Talabani e o tailandês Emomali Rahmon. 

Irã, Paquistão e Afeganistão, com fronteiras em comum, enfrentam uma onda de atentados terroristas que fazem um grande número de vítimas civis. Na perspectiva da retirada das tropas americanas e da OTAN do Afeganistão, até 2014, os governantes tentam assumir as rédeas da segurança regional. 

O presidente paquistanês lembrou que o terrorismo extremista matou 35 mil civis em seu país nos últimos anos, o que requer uma mobilização internacional. Os três países anunciaram que seus ministros das Relações Exteriores, do Interior e da Economia vão se reunir periodicamente nos próximos meses para preparar uma nova reunião de cúpula dedicada à segurança regional, a se realizar até o final do ano, em Islamabad. 

Esse pacto de boas intenções esbarra em conflitos de influência na região. Teerã acusa com frequência os serviços de segurança de Israel, dos Estados Unidos e do Paquistão de apoiar grupos terroristas sunitas em uma província iraniana na fronteira com o Paquistão. Por outro lado, Israel e os Estados Unidos acusam o Irã de patrocinar o regime sírio e o Hezbollah no Líbano.

O presidente iraniano aproveitou a conferência para voltar à carga contra Washington, dizendo que o governo americano apoia redes terroristas na região. Já o líder religioso iraniano Alí Khamenei afirmou que existe um caráter diabólico na ação das potências dominantes, que "utilizam o terrorismo como pretexto para justificar sua presença militar na região".  

 
O tempo de conexão expirou.