Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Imperador japonês visita vítimas de Fukushima

media O imperador japonês Akihito e a imperatriz Michiko visitam áreas afetadas pela tragédia do tsunami Reuters

Dois meses depois do terremoto seguido do tsunami que devastou a região nordeste do Japão, o imperador Akihito visitou pela primeira vez a região de Fukushima onde se encontrou com algumas vítimas do vazamento nuclear.

Acompanhado de sua esposa Michiko, o imperador Akihito que é chefe de estado e simboliza a unidade do povo japonês, esteve nesta quarta-feira em um centro de refugiados, distante 60 quilômetros da usina nuclear. O casal imperial foi prestar solidariedade aos cerca de 100 mil moradores que foram obrigados a deixar suas casas devido à radiação. Pelo menos 60 mil deles continuam alojados em ginásios e escolas.

O acesso foi interditado em um perímetro de 20 quilômetros em torno da central de Fukushima. O imperador e sua mulher já tinham visitado outros habitantes da região atingidos pelo terremoto, que deixou, segundo dados oficiais provisórios, 14.949 mortos e cerca de 9880 desaparecidos.

A preocupação ainda é grande em relação à radioatividade na central, mesmo que os níveis detectados recentemente estejam mais baixos. A Tepco (Tokyo Eletric Power), empresa de enegia que administra a central, se comprometeu a indenizar as famílias que foram desalojadas. Inicialmente elas receberão, cada uma, 8500 euros, mas o governo deverá desembolsar mais recursos ainda neste ano para ajudar a população. Os agricultores deverão receber uma ajuda extra, já que muitos produtos tiveram a venda proibição por conta da contaminação radioativa.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.