Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Ex-magnata do petróleo russo Khodorkovski é condenado a 14 anos de prisão

media O magnata russo do petróleo Mikhail Khodorkovsky, REUTERS/Tatyana Makeyeva

A justiça russa condenou a 14 anos de prisão o ex-magnata do petróleo Mikhail Khodorkovski e seu sócio, Platon Lebedev, ex-dirigentes do gigante petrolífero Iukos. Considerados prisioneiros políticos, Khodorkovski e Lebedev pagam com a reclusão a independência que exibiram nos negócios em relação ao Kremlim.

Neste segundo processo, Khodorkovski, inimigo político número 1 do premiê russo, Vladimir Putin, e seu sócio foram considerados culpados do roubo de 218 milhões de toneladas de petróleo e lavagem de 23,5 milhões de dólares. O advogado do ex-magnata informou que vai recorrer da sentença.

Os ex-dirigentes do grupo Iukos estão presos desde 2003, cumprindo pena de 8 anos pelos crimes de evasão fiscal e extorsão em grande escala. Considerados prisioneiros políticos, Khodorkovski e Lebedev pagam com a reclusão a independência que exibiram nos negócios em relação ao Kremlim. Desde que os ex-dirigentes foram afastados, o grupo petrolífero foi desmantelado em favor de empresários próximos de Vladimir Putin.

Setores progressistas da sociedade russa e observadores internacionais aguardavam o resultado desse segundo julgamento como um teste sobre o estado de direito na Rússia. Do lado de fora do tribunal, em Moscou, cerca de 300 pessoas, entre elas muitos jornalistas, aguardavam o anúncio da sentença. Pessoas carregavam cartazes com frases como "liberdade aos prisioneiros políticos" e "A Rússia sem Putin". Segundo um jornalista da agência France Presse, dezenas de pessoas foram detidas pela polícia.

 
O tempo de conexão expirou.