Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Amorim critica monopólio nuclear das potências ocidentais

media O chanceler Celso Amorim Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, enfatizou hoje, em Genebra, a necessidade de se obter resultados concretos no desarmamento, durante sessão da Conferência do Desarmamento da ONU. Amorim criticou o monopólio de nuclearização exercido pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. 

O Brasil está assumindo a presidência da Conferência do Desarmamento da ONU. Em discurso inaugural, o chanceler Celso Amorim disse que a conferência tem sido marcada pelo fracasso. O ministro criticou os países ocidentais pelo monopólio que tentam exercer sobre o nuclear e defendeu uma participação mais efetiva de países em desenvolvimento e de Estados não-nuclearmente armados nas decisões de segurança internacional. 

Chanceler brasileiro Celso Amorim 15/06/2010 Ouvir
A governança global está sendo reconstruída. O mundo não pode ser gerido por pequenos grupos que se auto-intitulam tomadores de decisão.

"Em função das crises econômicas dos últimos anos, emerge o consenso de que a legitimidade e a eficácia nas relações internacionais demandam decisões tomadas de maneira democrática, com a participação de um grupo amplo e representativo de países", disse o ministro. Amorim citou a mediação feita pelo Brasil e a Turquia junto do Irã, para que o país persa tenha direito ao uso pacífico da energia nuclear.

Entrevistado pela reportagem da RFI, o chanceler desmentiu as especulações da imprensa alemã de que o Brasil teria interesse em fabricar a bomba atômica. Amorim também minimizou as críticas da imprensa brasileira ao acordo tripartite fechado com o Irã, ressaltando que o compromisso foi bem recebido no exterior. 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.