Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Revista do jornal Le Monde elogia Anitta, a “Beyoncé carioca”

Revista do jornal Le Monde elogia Anitta, a “Beyoncé carioca”
 
A cantora brasileira Anitta é destaque na revista do Le Monde Reprodução / Le Monde

A revista M do jornal francês Le Monde traz em sua edição desta semana uma reportagem sobre a cantora Anitta. Com o título “Beyoncé carioca”, o texto explica como a brasileira se tornou, graças ao clip da música Vai Malandra, um fenômeno planetário.

A correspondente de Le Monde no Brasil relata que o vídeo, postado em dezembro no YouTube, alcançou em apenas 12 horas a 16ª posição no ranking do Spotify’s Viral Charts no Brasil e que continua, quase três meses depois, entre os 200 títulos mais ouvidos no mundo. “Vista 203 milhões de vezes no YouTube em meados de fevereiro, a canção confirma o sucesso desta que é descrita como a “Beyoncé do Brasil”, diz o texto.

A reportagem explica que Anitta é uma verdadeira representante do funk brasileiro, “um movimento seguido de perto pelos especialistas musicais”. Afinal, comenta a correspondente, esse ritmo que antes era restrito aos bailes das favelas e às “tórridas discotecas da periferia de São Paulo”, ultrapassa finalmente suas fronteiras. Sandra Jimenez, que dirige o departamento de música do YouTube na América Latina, afirma que “2017 foi o ano em que os talentos brasileiros quebraram a barreira da língua”. E seguiram o exemplo de Anitta nomes como MC Kevinho ou MC Fioti, lista o texto.

A correspondente entrevista Carlos Palombini, professor de musicologia na Universidade Federal de Minas Gerais. Segundo ele, “o funk brasileiro mudou desde o início dos anos 2010, deixando de lado sua origem agressiva, reivindicativa e cheia de palavrões, para usar códigos da pop, mais melodiosa e mais fácil de exportar”.

Porém, comenta a reportagem, Anitta teria algo a mais. “Ela encarnaria de alguma forma a sociedade brasileira contemporânea” diz o texto.  Citando o crítico musical do site G1, Braulio Lorentz, o texto afirma que Anitta “soube seduzir as meninas de todas as classes sociais” e que a cantora seria um símbolo do empoderamento feminino.

A correspondente termina se perguntando se Anitta poderia ser considerada como uma figura feminista. E completa analisando que, mesmo se a carioca adota os códigos da mulher-objeto, ela também assume, sem complexo, suas celulites nos primeiros dez segundos do clip Vai Malandra. “Um ato militante”, resume a reportagem da revista M.


Sobre o mesmo assunto

  • A Semana na Imprensa

    Pastor, fuzis e traficantes: a visita do Le Monde a um baile funk carioca

    Saiba mais

  • Europa

    Baile Funk é tema de exposição na França

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.