Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Falência de João Gilberto é tema de reportagem em revista francesa

Falência de João Gilberto é tema de reportagem em revista francesa
 
Revista Les Echos do fim de semana traz em destaque o músico João Gilberto. Reprodução RFI

A revista Week-End do jornal econômico Les Echos traz uma reportagem de duas páginas sobre os problemas financeiros de João Gilberto. Com o título “Gênio Desafinado”, o texto conta como o inventor da Bossa Nova perdeu, aos poucos, sua fortuna e sua credibilidade.  

A reportagem, escrita pelo correspondente do jornal econômico no Brasil, conta em detalhes o declínio do cantor brasileiro. “Meio século após seu triunfo no Carnegie Hall e uma carreira fabulosa, endividado, o grande músico vive recluso em seu apartamento no Rio de Janeiro”, relata.

O texto começa lembrando o polêmico show de inauguração do Credicard Hall, em 1999, quando Gilberto, irritado com o barulho e reclamando da qualidade da sala, mostrou a língua para o público e disse a frase que ficou famosa: “vaia de bêbado não vale”. O jornalista também recorda que esse não foi o primeiro incidente envolvendo o músico. “Como nos anos 1970, quando deixou o Canecão, alegando que suas exigências em termos de acústica não haviam sido respeitadas”.

Bossa Nova ajudou soft power brasileiro

Mas antes da crise que atravessa, já há alguns anos, Gilberto teve uma carreira impressionante. “A Bossa Nova virou até um ingrediente do soft power brasileiro”, comenta o correspondente do Les Echos no Brasil, em alusão ao ritmo que o baiano criou e ajudou a promover pelo mundo. O texto ressalta que, em 1962, uma festa com o tema do novo ritmo chegou a ser organizada na Casa Branca pela então primeira-dama dos Estados Unidos, Jackie Kennedy, dois dias antes do show Carnegie Hall, em Nova York. Nesse concerto, Gilberto tocou diante de nomes como Miles Davis, Dizzy Gillespie e outros gênios de jazz, todos curiosos para conhecer o novo som.

Depois dessa escala nos Estados Unidos, a carreira internacional do brasileiro decolou, com a assinatura de um contrato com o selo americano Verve, a colaboração com Stan Getz, dois discos gravados com Tom Jobim e até mesmo um show em Paris, onde cantou e encantou, em 1991, com uma versão da música “Que reste-t-il de nos amours”, relata a revista francesa.

Mas já nos anos 1980 as coisas começam a desandar, explica o correspondente. “Gilberto abriu um processo contra sua gravadora, que queria relançar seus três primeiros discos sem seu consentimento, resgatou os originais e não autorizou novos projetos”, conta. Em seguida, em 2011, ele anulou na última hora uma turnê de comemoração de seus 80 anos, sem reembolsar o cachê que já havia recebido.

Bebel Gilberto assumiu tutela do pai

A partir daí, os processos se multiplicam e as dívidas e alugueis sem pagar se acumulam. A tal ponto, conta o texto, que, em novembro passado, “oficiais de justiça bateram à porta de seu apartamento no Leblon para expulsá-lo”. Diante da situação, o músico foi colocado sob tutela financeira, assumida pela filha Bebel Gilberto. Os herdeiros do músico, aliás, acusam sua mulher, Claudia Faissol, de ter abusado da confiança do pai.

A reportagem termina explicando que atualmente, como na revista Veja de dezembro passado, quando a mídia brasileira fala do músico, é muito mais para explorar suas peripécias judiciais que para saudar seu legado genial. “Quando, em 1960, ele entoava com sua voz suave na canção Doralice, ‘Eu prefiro viver tão sozinho ao som do lamento do meu violão’, o artista torturado parecia já anunciar o que o aguardava”, conclui, ironicamente, a revista Week-End.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Manu le Prince lança CD em inglês, português e francês

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Música clássica brasileira encontra bossa nova em teatro parisiense

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Chico Buarque é um pensador do Brasil", diz pesquisador

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Margareth Menezes canta Gil e Caetano na Lavagem da Madeleine em Paris

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.