Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

"A autoria negra existe e não é de hoje": Conceição Evaristo, escritora

 
Escritora brasileira Conceição Evaristo lançou dois livros na França pela editora Anacaona. RFI

A escritora brasileira Conceição Evaristo está em Paris lançando "Becos da Memória", seu segundo livro editado em francês, pela editora Anacaona. Nesta entrevista, ela nos fala do seu percurso e de sua paixão pela literatura, além do combate para se afirmar enquanto mulher negra intelectual.

Ela nasceu nos anos 40, em uma favela de Minas Gerais. Cresceu, como milhões de brasileiros, em uma família e rodeada de mulheres negras, muitas delas empregadas domésticas ou cozinheiras, que ainda viviam no estigma de um Brasil marcado por seu passado de escravidão. Mas o mundo deu voltas e sua paixão por histórias fez dela uma das escritoras brasileiras mais celebradas do momento.

"Becos da Memória", que chega às livrarias da França com o título "Banzo, mémoires d'une favela", é a segunda obra de Conceição traduzida para o francês, depois de "Ponciá Vicêncio", publicado no país pela mesma editora. Esse primeiro livro, que emocionou o Brasil ao contar a infância sofrida de uma menina pobre, descendente de escravos, e os caminhos de sua vida, pontuada por sonhos, desilusões e lutas, também agradou os franceses. "Eu tenho a impressão que aqui na França, o que eu conto com a Ponciá Vicêncio, e também em Becos da Memória, traz justamente a voz afro-brasileira, essa voz nascida de dentro, nascida da experiência, nascida da condição dos negros brasileiros. A França até conhece romances brasileiros que chegam até aqui, mas são sempre textos escritos de fora pra dentro. Eu tenho a impressão de que meus livros trazem esse outro lugar, que é o lugar de fala de uma autoria negra brasileira", diz a autora.
 
Conceição Evaristo levou 20 anos para publicar a sua primeira obra. Segundo ela, a principal razão é a imagem da mulher negra no mundo da literatura: "No Brasil se tem um imaginário muito cruel em relação aos negros, e mais ainda cruel em relação às mulheres negras, vistas como boas cozinheiras, boas lavadeiras, aquelas que tomam conta do corpo do outro, que dançam. Acreditar na capacidade de escrita das mulheres negras, acreditar que são mulheres pensantes, intelectuais, que criam situações de aprendizagem, que somos donas do conhecimento, é mais difícil. Então, acreditar que uma mulher negra produza literatura, marcadamente mais de autoria de homens, e homens brancos (...) é muito mais difícil do que para uma mulher branca, por exemplo".

Mas Conceição não concorda com a suporta ausência de negros da literatura brasileira. "O fato deste produto não estar sendo visível, não significa que não exista. Essa autoria negra, essa dinâmica construída através de uma experiência negra na sociedade brasileira, essa dinâmica existe e não é de hoje. Ela só não é visibilizada como outras dinâmicas", reflete a escritora.

Sobre o atual momento brasileiro, Conceição é otimista. "Tenho dito que as conquistas que foram feitas, toda a trajetória dos afro-brasileiros, têm um momento muito grato a partir do governo Lula em 2003, inclusive as próprias ações afirmativas que vão permitir uma entrada maior de afro-brasileiros nas universidade, e a lei que instituiu o estudo das culturas africanas e afro-brasileiras no currículo escolar, e incorpora também o estudo das culturas indígenas. Através da educação, da formação de professores, da entrada de jovens afro-brasileiros e indígenas nas universidades brasileiras, tudo é muito esperançoso e muito rico para a sociedade brasileira como um todo. E nesse momento a gente não tem muita certeza do que pode acontecer, mas acredito muito que a história não vai retroceder (....), acho que podemos encontrar estratégias para garantir essas conquistas", conclui a escritora.

Assista a entrevista completa no vídeo abaixo. 

 


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Amor de senhora de escravos e abolicionista inspira livro de Eneida Queiroz

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Bernardo Carvalho, escritor: "A literatura que importa é a literatura de dissenso, radical"

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Livro analisa facetas literárias e musicais de Chico Buarque

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Primavera literária brasileira" promove escritores contemporâneos na Europa

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Redigir em português me faz escrever coisas bem diferentes”, diz italiano

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.