Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Antropóloga analisa influência dos primeiros viajantes na formação da imagem do Brasil

Antropóloga analisa influência dos primeiros viajantes na formação da imagem do Brasil
 
Fernanda Peixoto RFI

Autora de vários livros que abordam a relação histórica entre França e Brasil, a antropóloga e professora da Universidade de São Paulo (USP) Fernanda Peixoto se especializou na análise do papel das viagens como fonte de pesquisa antropológica. Em seu mais recente livro, A viagem como vocação, a pesquisadora fala da relação que grandes intelectuais franceses, como Claude Lévi-Strauss, Roger Bastide e Pierre Verger tiveram com o Brasil, país para o qual foram várias vezes e onde alguns chegaram a morar durante anos. A autora mostra como essas viagens contribuíram para as obras dos antropólogos e sociólogos, reforçaram os elos entre as duas nações, e formaram parte da imagem que o Brasil mantém no exterior até os dias atuais.

“A viagem é fundamental para a antropologia, uma disciplina baseada no deslocamento. Essa experiência continua sendo indispensável para os antropólogos até hoje”, comenta a professora. Mas no caso do Brasil, “as viagens antropológicas contribuíram também para ‘complicar’ as visões acerca das Américas e dos trópicos tristes e descaídos”, diz a autora, em referência ao livro Tristes Trópicos, de Lévi-Strauss, uma obra que, segundo ela, tornou mais complexa a visão idílica vinculada à região.

Para a pesquisadora, a França vem perdendo espaço na formação dos intelectuais brasileiros, principalmente nas ciências humanas, mesmo se as viagens dos intelectuais franceses ao Brasil continuam sendo uma referência no mundo acadêmico. “A contribuição anglo-saxã é fundamental e, de alguma maneira, suplantou uma certa marca francesa, que foi importante. Mas nomes como Lévi-Strauss, que foi parte da USP e formou gerações com sua obra, ainda são autores incontornáveis”.

 

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.