Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Tunísia entre otimismo e insegurança, 5 anos após revolução

Tunísia entre otimismo e insegurança, 5 anos após revolução
 
Quinto aniversário da revolução tunisiana. 17 de dezembro de 2015. REUTERS/Zoubeir Souissi

A Tunísia celebra essa semana o quinto aniversário da revolução que culminou na derrubada do ditador Zine El Abidine Ben Ali, que estava no poder havia 24 anos. Esse movimento, nascido da revolta solitária de um vendedor ambulante que ateou fogo ao próprio corpo, se espalhou como um rastilho de pólvora pelos países vizinhos e transformou 2011 no ano da Primavera Árabe.
 

Mas, cinco anos depois desta revolução que se anunciava progressista, a Síria permanece imersa no conflito, a Líbia segue desgovernada, o Iêmen viu guerra atrás de guerra, o Egito depôs Hosni Mubarak e viu seu primeiro presidente eleito, o islamita Mohamed Mursi, destituído por um violentíssimo golpe militar comandado pelo atual chefe de Estado Abdel Fatah al-Sissi. E o que acontece com a Tunísia, onde tudo começou?

O correspondente da RFI Brasil em Moscou, Sandro Fernandes, passou essa última semana no país. Ele conta que "os tunisianos vivem agora um misto de otimismo com os primeiros anos de uma transição democrática e preocupação, principalmente com o desemprego e a insegurança". Se antes da revolução, a criminalidade era baixa, hoje, a preocupação da população se divide entre uma violência urbana exacerbada e a atuação de grupos jihadistas.

Fernandes lembra que "apenas em 2015, aconteceram três atentados terroristas na Tunísia – um no importante museu Bardo, da capital, outro em Sousse, uma cidade costeira repleta de resorts turísticos, e, recentemente, no centro da capital Túnis". Este último foi uma ação espetacular, que matou vários membros da Guarda Presidencial em plena luz do dia e na hora do rush. Os três atentados deixaram 73 mortos.

Diante deste cenário, Sandro observa uma "certa nostalgia" do antigo regime. Para ouvir a íntegra do programa direto com o correspondente da RFI em Moscou Sandro Fernandes, clique no link acima.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Tunísia celebra o quinto aniversário da deflagração da Primavera Árabe

    Saiba mais

  • Tunísia/Constituição

    Tunísia celebra aniversário de revolução sem nova Constituição

    Saiba mais

  • Clube dos ouvintes

    A revolução tunisina e os clandestinos em Moçambique vistos pelos ouvintes !

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.