Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Carne não é o único alimento que pode provocar câncer

Carne não é o único alimento que pode provocar câncer
 
Para pesquisadores, segredo da luta contra o câncer está na alimentação equilibrada. Wikipedia commons

Um estudo apresentado na semana passada pela Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (Iarc), ligada a Organização Mundial da Saúde (OMS), causou polêmica ao afirmar que o consumo de frios e carnes vermelhas seria cancerígeno. Mesmo se as autoridades atenuaram o alerta após a revolta dos industriais do setor, o tema suscitou debate sobre o número crescente de alimentos apontados como nocivos para a saúde dos seres humanos.

O relatório divulgado pela Iarc é uma compilação de dados de várias pesquisas realizadas nos últimos anos, e seu resultado não surpreendeu a comunidade científica. Mas ao declarar abertamente que a carne vermelha e os frios seriam cancerígenos, o documento suscitou duras críticas dos produtores em várias partes do mundo, da França aos Estados Unidos, passando pelo Brasil.

A revolta dos industriais foi tamanha que, menos de uma semana depois da divulgação do documento, a Organização Mundial da Saúde deu marcha a ré e declarou, por meio de um comunicado, que o polêmico estudo “não pede que as pessoas parem de comer a carne processada”. Para a OMS, o relatório do Iarc preconiza apenas “uma redução do consumo”, mesmo se a organização insiste que as pesquisas “ainda não permitem” determinar o volume de ingestão considerado sem risco para a saúde.

Mathilde Touvier, pesquisadora em epidemiologia nutricional no Inserm, o Instituto francês de saúde e pesquisa médica, confirma que não se trata de eliminar totalmente esses produtos. “O importante é consumir a carne como parte de uma alimentação variada e equilibrada”. A especialista também ressalta que, segundo as recomendações atuais do World Cancer Research Fund International, “o ideal seria não comer mais de 500 gramas de carne vermelha por semana. Já no caso dos frios, a recomendação é de não ultrapassar 50 gramas por dia”.

A vice-presidente do Ipatimup (Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto), Raquel Seruca, lembra que a carne é importante para a alimentação. “Ela tem proteína, vitamina B12, ferro, zinco e uma série de constituintes que são saudáveis. O que deve ser evitado é o excesso, mas isso também serve para o açúcar ou a gordura”, analisa a médica e pesquisadora, que também não ficou surpresa com o estudo do Iarc.

Carne vermelha não é a única culpada

A pesquisadora francesa também frisa que a carne vermelha não é a única vilã dessa história. “Um relatório do Instituto francês do câncer constatou que vários outros alimentos podem ser considerados como cancerígenos. Bebidas alcoólicas, comida muito salgada, complementos alimentares à base de betacaroteno entram nessa categoria. O excesso de peso ou a obesidade também representam um risco”, explica a especialista. Além disso, lembra a pesquisadora do Inserm, “não podemos esquecer que há uma série de outros fatores que protegem contra o câncer, como o consumo de frutas e legumes, o de fibras alimentares que encontramos no pão integral e no macarrão integral, os lacticínios, ou ainda a atividade física”. Para ela, o número de produtos que são nocivos e os que protegem o organismo são quase equivalentes. “Não podemos demonizar os alimentos”, analisa.

Além disso, como lembra Raquel Seruca, os resultados desse tipo de estudo também devem levar em consideração os hábitos culturais da população. “Não podemos comparar a alimentação de um britânico ou de um norte-americano, que comem bacon no café da manhã, com a dos portugueses, por exemplo, que são adeptos de uma cozinha mediterrânea, na qual a carne vermelha não é onipresente”.

Em uma tentativa de minimizar o risco de pânico generalizado, a OMS divulgou números sobre o avanço do câncer e suas causas, relativizando o estudo do Iarc. Segundo a agência da ONU, se 34 mil pessoas morrem por ano vítimas de tumores que seriam causados por uma alimentação rica em carne processada, 60 mil mortes de câncer são provocadas pelo consumo de álcool, 200 mil pela poluição do ar e um milhão de óbitos são atribuídos ao tabaco.

Até alimentos orgânicos podem ser nocivos

Alguns ecologistas defendem que o modo de vida urbano, com uma alimentação cada vez mais baseada em produtos industrializados, seria responsável por esses distúrbios. No entanto, muitas dessas doenças, como o câncer colorretal, atribuído ao consumo excessivo de carne, sempre existiram. A diferença é que agora a ciência consegue estudá-los. “Com o avanço das pesquisas, temos cada vez mais informações sobre os fatores protetores e prejudiciais”, ressalta Touvier.

Porém, a especialista francesa alerta que nem sempre os riscos vêm de onde imaginamos. “A questão dos modos de produção modernos é uma das grandes preocupações dos pesquisadores. Por exemplo, estamos fazendo vários estudos nesse momento sobre os alimentos orgânicos para tentar entender se, além do impacto positivo evidente para o meio ambiente, eles também representam um benefício real para a saúde ou risco de câncer e outras doenças. Por enquanto, não conhecemos exatamente os impactos que os alimentos orgânicos podem ter sobre o organismo a longo prazo”, diz a pesquisadora.


Sobre o mesmo assunto

  • Jornais indicam quantidades saudáveis de consumo de carnes

    Saiba mais

  • Carne/Câncer

    Produtores do Brasil, França e EUA criticam estudo que acusa carne de provocar câncer

    Saiba mais

  • Saúde/OMS

    Embutidos e carnes vermelhas são acusados de provocar câncer

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.