Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Salão do Chocolate de Paris mostra cacau produzido sob a Mata Atlântica brasileira

Salão do Chocolate de Paris mostra cacau produzido sob a Mata Atlântica brasileira
 
Plantação de cacau na Bahia pelo sistema cabruca. Seagri / Governo do Estado da Bahia

Os chocólatras que circulam pelo Salão do Chocolate de Paris poderão saber mais sobre uma técnica de produção sustentável de cacau no sul da Bahia, a cabruca. O fruto é cultivado sob a copa das árvores da Mata Atlântica, uma técnica tradicional praticada há mais de 200 anos e que ajuda a preservar a floresta.

O cacau gosta de calor, mas não de sol. Para se desenvolver, ele precisa de sombra - e encontrou abrigo na exuberância da mata brasileira. Esse sistema agroflorestal acaba dando ao fruto características especiais, valorizadas no mercado de chocolates finos.

A um mês da Conferência do Clima de Paris (COP21), a técnica desperta a curiosidade no Salão do Chocolate da capital francesa, que abriu as portas nesta quarta-feira (28). No domingo, último dia do evento, o diretor da associação Cabruca COP21, Wandel da Rocha, vai explicar como funciona a produção ambientalmente sustentável do cacau.

“A associação deseja promover o máximo de conservação da Mata Atlântica, ou seja, que a copa das grandes árvores seja preservada e os extratos inferiores sejam substituídos por cacau”, explica.

Árvores raras são preservadas

Pouco a pouco, os estados produtores de cacau começam a se recuperar dos estragos de uma infestação por um fungo conhecido como vassoura de bruxa, nos anos 1980. Em uma década, 60% dos cacaueiros brasileiros morreram e a participação do Brasil no mercado internacional despencou.

Com o sistema cabruca, árvores raras, como pau-brasil e jequitibá, acabam preservadas para dar lugar à plantação do cacau. Segundo Rocha, curiosamente, tudo começou com um francês.

“Foi um francês que levou o cacau do estado do Pará, que na época não prosperou, para o sul da Bahia. Esse contexto, de ter sido um francês e por a COP21 se passar em Paris, faz com que os franceses estejam muito interessados nesse assunto, afinal eles são apaixonados por história e por chocolate”, constata.

Na África, devastação é a regra

A técnica é única mundo. Na África, de onde vem mais de 70% do cacau consumido no mundo, os produtores desmatam a floresta primária e cultivam o solo com bananeiras e leguminosas. O cacao é plantado à sombra dessas árvores.

“Na África, a floresta equatoriana foi devastada para melhorar a fertilidade dos solos. A capacidade produtiva se esgota em no máximo 30 anos e a solução é, de novo, pegar mais uma parte da floresta, queimar e plantar cacau”, relata. “Desta maneira, a floresta equatoriana vai sendo substituída pela cultura do cacau.”

No Brasil, além da Bahia, também Espírito Santo, Pará, Amazonas e Rondônia produzem cacao. Técnicas semelhantes à cabruca já se desenvolvem na floresta amazônica.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Polêmica/França

    Ministra francesa pede boicote ao Nutella e gera indignação na Itália

    Saiba mais

  • Fato em Foco

    Brasil traz cacau sustentável ao Salão do Chocolate de Paris

    Saiba mais

  • França/Páscoa

    Setenta novas lojas ou empresas de chocolate surgem todos os dias

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.