Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 25/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 25/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Polícia da Noruega revista sede de empresa suspeita de pagar suborno à Petrobras

media Plataforma Sevan Brasil na Baía de Guanabara, a serviço da Petrobras, no Pré Sal brasileiro. Sevan Brasil

A empresa norueguesa Sevan Drilling teve a sua sede revistada na noite de sexta-feira (16), em uma  operação relacionada com o "Petrolão". As autoridades locais suspeitam que houve pagamentos de gordas propinas à Petrobras para a obtenção de contratos. Neste sábado (17), a empresa divulgou um comunicado em que anuncia estar colaborando com as autoridades.

O escândalo na Petrobras atravessou o oceano e chegou ao norte da Europa. Ao revistar a sede da empresa norueguesa Sevan Drilling, especializada em perfuração em águas profundas, a polícia buscou documentos que comprovassem as suspeitas das autoridades locais: a empresa "pagou importantes quantias em subornos para garantir contratos com a Petrobras".

O jornal econômico do país, Dagens Naeringsliv (DN), divulgou que os fatos teriam acontecido entre 2005 e 2008, quando a Sevan Drilling, controlada pela Seadrill, teria assinado contratos com a estatal brasileira . Na época, a Sevan Drilling integrava a Sevan Marine, especializada em serviços offshore.

Sevan e Brasil

Dona de uma das tecnologias mais avançadas do mundo no setor, a Sevan Drilling  começou a operar no Brasil em julho de 2012,  tendo fechado um contrato de 6 anos com a Petrobras para exploração do Pré-Sal. A justiça brasileira começou a ter suspeitas sobre a legalidade dos negócios no fim de junho deste ano.

Na mira da justiça, a empresa estrangeira se antecipou e contratou uma auditoria de um escritório de advocacia, que entregou o relatório na sexta-feira (16). O documento afirma que "é mais provável (que improvável) que tenham acontecido pagamentos irregulares para a atribuição de contratos", segundo o diário econômico norueguês.

"Estamos colaborando", diz comunicado oficial

Neste sábado (17), a Sevan Drilling publicou um comunicado em seu site no qual explica sua relação contratual com a Petrobras e garante que está cooperando e vai continuar a colaborar com as autoridades dos dois países para esclarecer os fatos que estão sendo investigados.

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.