Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Recrutadores ganham até US$ 10 mil por cada novo combatente jihadista

media Operação de polícai espanhola prende recrutadores e recrutas jihadistas. REUTERS/Spanish Interior Ministry

O grupo Estado Islâmico (EI) paga a seus recrutadores até US$ 10.000 por cada novo combatente que se une à organização para lutar na Síria e no Iraque, afirmaram nesta sexta-feira (16) especialistas da ONU, em um relatório publicado na Bélgica.

Elzbieta Karska, que lidera uma unidade da ONU que estuda o problema dos combatentes estrangeiros que viajam a zonas de conflito, afirma que o grupo EI está utilizando as redes sociais e as conexões informais e familiares para recrutar novos jihadistas.

Os intermediários, que em muitos casos estão na Síria, "obtêm um pagamento em função do número de pessoas recrutadas e se uma destas pessoas depois se casa", afirmaram os especialistas da ONU em um relatório preliminar publicado na Bélgica, o país europeu mais afetado por este fenômeno.

Especialistas

"Se for alguém muito formado como um especialista em informática ou um médico, então pagam mais", disse Karska na coletiva de imprensa . "Temos informações de que os recrutadores recebem até US$ 10.000, dependendo de quem for captado", disse o advogado, que advertiu que essas conclusões são preliminares.

O perfil dos combatentes é diverso, mas a idade média está em torno dos 23 anos e cada vez há mais mulheres que decidem partir. As motivações são variadas, desde a "convicção religiosa", os "motivos humanitários" ou inclusive "a busca de aventuras". O perfil não corresponde sempre às pessoas com empregos precários. "Muitas têm uma boa situação econômica", afirma Karska.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.