Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Japonês e canadense ganham o Nobel de Física por descoberta de massa nos neutrinos

media Os vencedores do prêmio Nobel de Física 2015 foram o japonês Takaaki Kajita e o canadense Arthur McDonald. AFP PHOTO / JONATHAN NACKSTRAND

A Academia de Ciências da Suécia concedeu nesta terça-feira (6) o prêmio Nobel de Física ao japonês Takaaki Kajita e ao canadense Arthur McDonald. Os dois cientistas descobriram que a partícula elementar neutrino, uma das mais abundantes no universo, como o próton e o elétron, sofre oscilações e tem massa.

Por ser muito pequeno, o neutrino é difícil de ser detectado, a ponto de ser comparado com um fantasma. Ele intriga os cientistas desde os anos 60. Como o próprio nome indica, o neutrino tem carga elétrica neutra e, até pouco tempo atrás, se acreditava que ele não tinha massa. O neutrino é produzido pela radioatividade natural dos seres vivos e também pode ser obtido em reações nucleares nas estrelas.

De 10 bilhões de neutrinos que atravessam a Terra, só uma partícula vai interagir com um átomo do nosso planeta. Acredita-se que eles surgiram com o Big Bang, há cerca de 15 a 20 mil milhões de anos. Por isso, o estudo dessa partícula elementar é fundamental para entender a formação do universo.

O japonês Takaaki Kajita é diretor do Instituto de Pesquisas sobre Raios Cósmicos e professor na Universidade de Tóquio. Já Arthur McDonald é professor emérito da Queen's University, no Canadá. Eles vão dividir o prêmio de US$ 963 mil.

Amanhã, será anunciado o Nobel de Química.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.