Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/08 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 12/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 12/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Após Hungria fechar fronteiras, migrantes tentam alcançar norte da Europa pela Croácia

media Um grupo de migrantes é escoltado por policiais croatas em Tovarnik, Croácia, em 16 setembro de 2015. REUTERS/Antonio Bronic

Depois que a Hungria fechou todas suas fronteiras com a Sérvia, muitos migrantes apostam em novas rotas para tentar chegar ao norte da Europa. Um grupo entrou na Croácia vindo da Sérvia. Segundo a polícia croata, os migrantes chegaram ao país por Tovarnik, na fronteira, e estão sendo registrados e recebendo assistência médica.  

O primeiro ônibus com um grupo de 30 a 40 migrantes, a maioria mulheres e crianças, chegou na madrugada desta quarta-feira (16) à cidade sérvia de Sid, que fica menos de 10 quilômetros da fronteira com a Croácia. A maioria dos passageiros era da Síria e do Afeganistão, mas também do Paquistão e de países africanos. Eles pagaram cerca de R$150 pela viagem que partiu de Presevo, sul da Sérvia perto da Macedônia, até Sid.

Segundo a agência de notícias AFP, que acompanhou o percurso, muitos não sabiam que a Croácia faz parte da União Europeia e ficaram surpresos ao saber que são os primeiros a tentar uma nova rota para o norte da Europa. Um passageiro da Mauritânia ficou contente por não precisar pegar barco para seguir viagem. Ele disse só querer morar em um país que não esteja em guerra. Até ontem (15), a maioria dos migrantes que chegava à Sérvia pela Macedônia se dirigia à fronteira com a Hungria. Budapeste fechou todos os postos de passagem para conter o fluxo migratório, mas muitos refugiados decidiram esperar por uma possível reabertura da fronteira.

Arame farpado e prisão

Apenas 367 migrantes conseguiram entrar de maneira ilegal na Hungria na terça-feira, primeiro dia da entrada em vigor da nova lei anti-imigração no país. Segundo a polícia húngara, a maioria vai responder a um processo na justiça por ter danificado a barreira de arame farpado erguida na fronteira com a Sérvia. O delito pode ser punido com três a cinco anos de prisão.

Na Áustria, a polícia começou hoje a controlar a fronteira com a Hungria, um dia depois de receber autorização da Comissão Europeia para realizar um controle temporário diante da crise migratória; Viena prometeu que o trabalho será feito de maneira progressiva e limitada. A Áustria é o principal país de trânsito dos migrantes que entraram pela Hungria mas têm a Alemanha como destino final.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.