Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Venezuela pode ficar sem cerveja em duas semanas

Por
Venezuela pode ficar sem cerveja em duas semanas
 
A Cervejaria Polar, responsável por até 80% da produção da Venezuela. Captura vídeo

Além dos alimentos, remédios e autopeças, agora a Venezuela sofre com a escassez de cerveja. A bebida, tão apreciada no país, vem faltando e corre o risco de sumir totalmente do comércio dentro de poucas semanas, caso nada seja feito para reverter a situação. Como reflexo da crise, o diretor geral da Federação Venezuelana de Licores e Afins foi preso.

Elianah Jorge, correspondente da RFI Brasil em Caracas.

A falta de cerveja é reflexo da falta de dólares preferenciais, que são liberados pelo governo venezuelano. Falta matéria-prima para a produção da cerveja e da “malta”, uma bebida não alcoólica que é bastante consumida por aqui, sobretudo por crianças e adolescentes. Há meses o governo não facilita o crédito em moeda estrangeira às empresas, entre elas as cervejarias, por isso elas não conseguem comprar no exterior os produtos necessários a uma taxa de câmbio aceitável, o que origina a falta quase tudo no país.

De acordo com o principal fabricante de cerveja do país, o estoque de cevada, malte e lúpulo é suficiente para mais duas semanas de produção. Depois não há previsão de quando será possível reabastecer as empresas e saciar o público que aprecia uma cervejinha. Ou seja, agora em agosto, que é um mês de férias, é alta a probabilidade de que falte cerveja no país. Antes era possível comprar cerveja por engradado, mas agora as adegas só vendem a bebida por unidade. Os fiéis consumidores da cerveja estão preocupados já que, em um país onde o panorama é tenso, a bebida serve como um relaxante momentâneo, ainda que pese no bolso.

Desde a última sexta-feira, o diretor geral da Federação Venezuelana de Licores e Afins (Fevelif) está preso. Ele foi levado preso por funcionários do Sebin (Serviço de Inteligência Bolivariana) dois dias após ter anunciado que as distribuidoras de bebidas estão em estado de “emergência” e que uma greve estava sendo organizada para quarta-feira desta semana.

Desemprego

A paralisação é motivada pela possibilidade da falta de cerveja, que é o principal produto comercializado pelas bodegas do país. Outros diretores da Fevelif informaram que Fray Loa possivelmente será apresentado hoje ao tribunal, mas que até o momento desconhecem o motivo pelo qual o diretor geral da Federação foi levado preso e tampouco de qual crime o acusam. Antes de ser preso, Fray Loa informou que sete estados da Venezuela estão sem cerveja e sem malta, e quatro fábricas de bebidas estão paralisadas.

Além da insatisfação do consumidor, há os reflexos econômicos deste freio obrigatório no consumo. A escassez da bebida mais popular do país pode acarretar no fechamento de fábricas de produção e também no de 8 mil bodegas em todo o país. Sem contar com a perda de empregos indiretos, ou seja, daqueles que trabalham no transporte do produto, nas empresas produtoras de embalagens, no setor de bares e de restaurantes - estes já bastante afetados pela falta de carne, farinha e outros produtos.

Por consequência, milhares de pessoas podem ficar desempregadas justamente em um período em que o país enfrenta uma altíssima inflação que a cada dia corrói o poder de compra dos venezuelanos.

Embora a Venezuela produza rum de altíssima qualidade, muitos deles inclusive premiados, a cerveja é a bebida alcoólica preferida dos venezuelanos. Aqui na Venezuela a população consume mais bebida alcoólica que no Brasil. O consumo per capita de álcool entre os venezuelanos é de 8,9 litros. Já entre os brasileiros, é de 8,7 litros por pessoa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Antes, em tempos de vacas gordas, o venezuelano preferia o whisky à cerveja. Depois foi a vez do vinho, cujo preço de uma simples garrafa subiu a quase o equivalente a um salário mínimo. Se a situação continuar assim, a alternativa vai ser brindar com água.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Linha Direta

    Para analistas, Venezuela está à beira de uma hiperinflação

    Saiba mais

  • Venezuela/economia

    Maduro aposta em milagre para salvar a economia da Venezuela

    Saiba mais

  • Venezuela/Crise

    Maduro visita China e países da Opep em busca de solução para crise

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Falta papel e liberdade para imprensa da Venezuela

    Saiba mais

  • Venezuela/Crise

    Maduro anuncia redução de salários para diminuir gastos na Venezuela

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.