Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Apesar da promessa de ser um refrigerante natural, Coca Life leva açúcar e é calórica

Apesar da promessa de ser um refrigerante natural, Coca Life leva açúcar e é calórica
 
A Coca-Cola Life foi lançada nos Estados Unidos em 2013. Captura vídeo coca cola

Com a queda das vendas da Coca-Cola Light devido à desconfiança dos consumidores em relação ao aspartame, a Coca Life foi lançada no final do ano passado na Europa. A nova bebida é adoçada com uma mistura de açúcar e de stévia, uma planta da América do Sul. A promessa é de um produto menos artificial e calórico, o que não corresponde à realidade, já que a nova bebida leva apenas 30% menos açúcar do que a versão original e o adoçante utilizado em sua fórmula está longe de ser natural. Consumidores e nutricionistas franceses têm uma postura cética quanto às maravilhas propostas no novo refrigerante.

Segundo a nutricionista brasileira Cristiane Perroni, especialista em Nutrição Esportiva, Obesidade e Emagrecimento, a stévia, como adoçante, só tem benefícios. Se utilizada com moderação, os estudos apontam que ela não causa danos à saúde. "Ela é um alimento 100% natural, utilizado há muitos anos no Brasil e o adoçante mais indicado, por exemplo, para mulheres grávidas. Como essa substância não é metabolizada pelo organismo, ela não tem valor calórico", explica.

O problema da stévia na Coca Life não é o adoçante em si, mas a ideia de que ele é usado de forma natural na nova bebida. "O que a Coca-Cola utiliza nesse novo produto é uma substância encontrada na stévia, o rebaudiosídeo. Ele é extraído da planta com o uso de solventes químicos. Ou seja, a Coca-Cola não pode vender essa imagem de que a Coca Lifé não é um produto artificial", ressalta a nutricionista francesa Béatrice de Reynal.

Estratégia "enganadora"

A nutricionista classifica a estratégia de marketing da Coca Life como "enganadora". Reynal também alerta que na fórmula da Coca Life há açúcar e que uma lata de 330 mililitros tem 89 calorias. A mesma medida da versão original da Coca-Cola tem 138 calorias.

"O açúcar na fórmula da Coca Life serve para esconder o gosto amargo do rebaudiosídeo. Ou seja, o novo produto, diferente da Coca Light ou da Coca Zero, é calórico. Há muitos consumidores que não sabem disso e acreditam que a Coca Life é uma bebida sem calorias e natural", reitera.

Além dos Estados Unidos e da Europa, a Coca Life já é comercializada em alguns países da América do Sul. No Brasil, não há previsão de chegada do produto. Apesar da recente demanda das empresas de refrigerantes, o governo decidiu neste ano manter a proibição de associação de açúcar e adoçante em bebidas.

Na França, o produto foi lançado no final de 2014, de maneira discreta, distante das grandes campanhas de publicidade empreendidas pela Coca-Cola.

Imagem natural dos alimentos

Para o sociólogo da alimentação Jean Louis Lambert, a ideia da Coca-Cola de lançar um produto "verde" é baseada na busca dos consumidores modernos por uma imagem "natural" dos alimentos. No entanto, o especialista não acredita que a estratégia de marketing da Coca-Cola será facilmente comprada pelos franceses.

"Hoje em dia há uma imagem tão negativa das multinacionais que o que quer que esses grupos façam ou comuniquem, eles não inspiram credibilidade em uma boa parte da população. Mesmo as propostas de melhoras em seus produtos são percebidas como manobras para enganar o consumidor", analisa.


Sobre o mesmo assunto

  • Saúde/Obesidade

    França aprova lei que restringe consumo de refrigerantes em restaurantes

    Saiba mais

  • Saúde

    Refrigerante à vontade em fast food provoca polêmica na França

    Saiba mais

  • Saúde

    OMS divulga novas orientações para limitar consumo excessivo de açúcar

    Saiba mais

  • Saúde

    França adota imposto sobre refrigerante para combater obesidade

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.